João Pessoa 25/05/2018 16:17Hs

Início » Mundo » Acusações de assédio colocaram em xeque elite da fama e do poder em 2017

Acusações de assédio colocaram em xeque elite da fama e do poder em 2017

Redes sociais reforçaram movimento - Leia retrospectiva de casos emblemáticos

O ator Kevin Spacey no seriado “House of Cards”Reprodução

Não à toa, “feminismo” foi eleita a palavra do ano pelo dicionário norte-americano Merriam-Webster. Além de, segundo a editora, a expressão ser a mais pesquisada em 2017, o movimento permitiu que uma série de acusações de assédio sexual não fosse abafada pela imprensa nos Estados Unidos e no mundo.

Os acusados sempre estiveram envoltos por uma bolha de fama e poder. No entanto, a avalanche de casos foi potencializada pelo alcance das redes sociais. No Twitter, a hashtag #MeToo foi utilizada por quem encontrou na internet 1 local seguro para expor episódios de assédio e, principalmente, de impunidade.

O caso envolvendo o protagonista da série da Netflix House of Cards, Kevin Spacey, foi 1 dos mais citados. O Poder360 lista abaixo as histórias de maior repercussão:

(maio) Johnny Depp – a atriz Amber Heard pediu o divórcio e entrou na Justiça com 1 pedido de restrição contra o ator. Ela relatou inúmeros abusos físicos, verbais e emocionais sofridos durante o casamento. Depp está no elenco do próximo filme da autora J.K. Rowlling, de uma série paralela à Harry Potter. Em nota oficial, divulgada em 7 de dezembro, a autora disse que havia a possibilidade de fazer novos testes para o papel, mas que estava “genuinamente feliz” por trabalhar com o ator no novo filme. Depp negou as acusações. Já Amber Heard doou os US$ 7 milhões do acordo de divórcio para duas instituições de caridade.

Elenco do filme ‘The Crimes of Grindelwald’. Johnny Depp está à direita da imagemDivulgação

(out) Harvey Weinstein – o produtor cinematográfico foi expulso da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas após acusação de assédio sexual apuradas peloNew York Times. O jornal mostrou 5 casos envolvendo o produtor. Segundo a reportagem, Weinstein teria pago de U$ 80 mil a U$ 150 mil pelo silêncio das vítimas. Desde que o jornal publicou as histórias, vários outros casos semelhantes foram relatados na mídia.

(out) Kevin Spacey – foi acusado de abuso por vários homens. O caso envolvendo o ator Anthony Rapp ganhou repercussão por se tratar de 1 adolescente à época. O abuso teria acontecido em uma festa de Hollywood. Em nota, Kevin Spacey disse estar “horrorizado” pelo relato, e afirmou que não se lembra do encontro. “Mas se eu tiver me comportado da forma como ele descreve, devo a ele as mais sinceras desculpas pelo que teria sido 1 comportamento etílico inapropriado”, disse. A acusação atingiu em cheio o futuro da série House of Cards, que tem Spacey como protagonista. Inicialmente, a produtora Netflix decidiu suspender a série. Dias depois, confirmou que a produção continuará sem Spacey e será mais curta do que previamente planejada. Recentemente, o ator também foi acusado de “apalpar” o autor norueguês Ari Behn, ex-genro do rei da Noruega.

(out) Terry Richardson – o diretor de fotografia foi acusado de abuso sexual e afastado de trabalhos e entrevistas. Richardson dirigiu o clipe “Vai Malandra” da cantora brasileira Anitta,  lançado neste mês. A cantora se posicionou sobre o assunto: “solicitei que minha equipe avaliasse o contrato para verificar o que juridicamente poderia ser feito“.

(nov) Brett Ratner – o diretor de cinema foi acusado por 6 mulheres, entre elas as atrizes Olivia Munn (The Newsroom) e Natasha Henstridge (As Espiãs e Meu Vizinho Mafioso). As acusações foram publicadas pelo jornal Los Angeles Times. Ratner também foi acusado de homofobia pela atriz Ellen Page, que publicou no Facebook relatos ocorridos durante as gravações de filme em 2006. Page, que já entrevistou o presidenciável Bolsonaro no Brasil, tornou público outros diversos abusos que sofreu durante sua carreira na indústria do entretenimento.

(nov) Russell Simmons – diretor musical e co-fundador da gravadora Def Jam Recordings teria cometido diversos abusos. Entre eles, a acusação de agressão sexual que também teria tido a participação de Brett Ratner. A modelo Keri Claussen Khalighi, em 1991, foi convidada pelos 2 para assistir a gravação de 1 clipe. Simmons tentou forçá-la a fazer sexo. A entrevista da modelo foi publicada pelo Los Angeles Times.

(nov) John Lasseter – o diretor de criação da Pixar, estúdio de animação pertencente à Walt Disney, foi afastado do cargo após acusações de abuso sexual. As acusações foram publicadas pelo jornal Hollywood Reporter.

(nov) Matt Lauer – o jornalista foi demitido da NBC News por “comportamento sexual inapropriado no trabalho“. O âncora do jornal matinal “Today” foi desligado da emissora no dia 29 de novembro.

(nov) Charlie Rose – após acusação de 8 mulheres ao jornal norte-americano Washington Post, o âncora foi demitido da rede televisiva CBS. Rose apresentava o programa “60 minutes“. A Bloomberg também suspendeu o programa que tinha Rose com o entrevistador.

Charlie Rose durante entrevistaReprodução YouTube

(nov) Sylvester Stallone – o ator teria tentado abusar de uma garota de 16 anos na década de 1980, com ajuda de 1 guarda-costa. Stallone supostamente convidou o segurança Michael de Luka para participar da relação. O caso foi apurado com exclusividade pelo jornal britânico Daily Mail.

(dez) Bryan Singer –  diretor da série X-Men foi acusado de estuprar 1 garoto de 17 anos, em 2003. Singer disse ao jovem que poderia usar sua influência em Hollywood para ajudar o jovem a começar uma carreira se ninguém ficasse sabendo do ocorrido. Caso contrário, ameaçou arruinar a carreira do ator iniciante.

(dez) Melanie Martinez – a cantora e compositora norte-americana foi acusada de estuprar a amiga Timothy Heller. Negou as acusações em publicação no Twitter.

 (dez) Dustin Hoffman – o ator de 80 anos foi acusado de assediar atrizes na década de 1980, na Broadway. Também recebeu acusação semelhante da produtora e roteirista Anna Graham. Os casos foram detalhados por 3 vítimas em entrevista à NBC.

(dez) Geoffrey Rush – ator e vencedor do Oscar, pediu demissão no dia 2 de dezembro da Academia de Cinema Australiana após acusação de assédio. Os crimes teriam sido cometidos em 2015 e 2016. Já trabalhou ao lado de Johnny Depp, envolvido em polêmicas semelhantes.

(dez) George Takei – ator de Jornada nas Estrelas foi acusado de abusar garoto na década de 1980. A vítima (Scott R. Brunton), que tinha 23 anos na época, afirma que Takei se aproveitou dele em momento de vulnerabilidade. Brunton foi entrevistado pelo Hollywood Reporter. Takei negou as acusações publicamente no Facebook.

(dez) Gary Goddard – Produtor de espetáculos da Broadway como “Hair” e idealizador de parques temáticos da Disney, foi acusado de abusar de crianças e pré-adolescentes participantes de uma companhia teatral. Goddard atuava como tutor na instituição. O casos foram divulgados pelo L.A. Times.

(dez) Roman Polanski – diretor, produtor, e roteirista foi acusado de pedofilia. O crime teria acontecido na década de 1970. A acusadora teria apenas 10 anos de idade na época do episódio. As informações foram divulgadas pela Associated Press News.

ASSÉDIO NA POLÍTICA: DONALD TRUMP

Grupo de 2o mulheres acusou o presidente norte-americano Donald Trump de assédio e má conduta sexual. Dentre os casos, 3 foram noticiados pelo programa “Today Show“, da rede televisiva NBC. O programa entrevistou as supostas vítimas Jessica Leeds, Samantha Holvey e Rachel Crooks.

O presidente norte-americano também foi acusado pela senadora Kirsten Gillibrand. Trump chamou o episódio de “Conspiração democrata”. Gillibrand respondeu pelo Twitter que Trump não silenciará ela ou outras mulheres.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, negou todas as acusações em entrevista coletiva em outubro. No mês passado, o jornal britânico The Guardian publicou uma reportagem com as acusações interligadas à Trump. Outros nomes da política norte-americana também aparecem na lista de acusados de assédio, como o ex-presidente George H.W. Bush e o senador e escritor Al Franken.

MÍDIA ACUSA MÍDIA

O New York Times apurou detalhadamente casos de assédio ocorridos na revista canadense Vice. Segundo a reportagem, entre os abusadores estaria o atual presidente da publicação, Andrew Creighton.

Funcionárias que trabalharam na Vice na década de 1920 e 1930 disseram ter testemunhado situações de má conduta sexual na empresa, como beijos indesejados e convites para “sexo causal“. Tudo  no ambiente de trabalho.

BRASIL BRASILEIRO

O protagonista das manchetes brasileiras sobre denúncias de assédio em 2017 foi o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA). Conhecido como “deputado da tatuagem”, em agosto o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal divulgou nota com acusações contra o político. Uma repórter da rádio CBN teria sido assediada sexual e moralmente pelo congressista.

 Poder360