João Pessoa 26/05/2018 12:02Hs

Início » Mundo » Banidos do Facebook, jihadistas lançam sua própria rede social

Banidos do Facebook, jihadistas lançam sua própria rede social

jihadistS 11Bloqueados nas principais redes sociais como Facebook, defensores doradicalismo islâmico decidiram lançar a sua própria rede social. Batizada de 5elafabook.com (ou “Califatbook”), a rede social foi vista pela primeira vez na internet no domingo (8).

 O “Califatbook”, bem como a conta do Twitter ligada à rede social, ficou apenas algumas horas no ar. Na segunda-feira (9), uma mensagem em inglês apareceu na página explicando que, “para proteger as informações e a segurança dos membros”, o site seria temporariamente suspenso.

O “Califatbook” se diz “independente” e afirma não ser financiado pelos membros do grupo Estado Islâmico. Eles afirmam, no entanto, que defendem a ‘sharia’ (lei islâmica) e dizem que têm a missão de combater “os inimigos de Alá”. Em tom de ameaça, o texto também afirma: “Amamos morrer tanto quanto amamos viver. Prometemos lutar até que o último de nós morra como mártir”.

Até o momento, não foi possível identificar o fundador do “Califatbook”. As informações disponíveis revelam que o site foi criado a partir do software que permite ao usuário criar a sua própria rede social.

Estado Islâmico mata dois homossexuais no Iraque

O grupo Estado Islâmico decapitou três homens na região de Nínive, no Iraque. Em fotos divulgadas pelas redes sociais nesta terça-feira (10), o grupo terrorista informa que dois homens foram decapitados por serem homossexuais e um foi acusado de blasfêmia contra o islã.

Nas fotos, os homens aparecem ajoelhados e vendados. Atrás deles, aparece um membro do grupo Estado Islâmico vestido de preto e com uma espécie de espada. Ao fundo, também é possível ver pessoas que assistem à morte dos três homens.

Diferentemente de outros assassinatos comandados pelo grupo, desta vez o ato não foi filmado. Uma sequência de fotos legendadas é exibida nas redes sociais com a justificativa dos terroristas para a morte das vítimas. A autenticidade das fotos, porém, não pôde ser verificada até o momento.

Reprodução de página do “Califatbook”: