João Pessoa 24/06/2018 12:42Hs

Início » Mundo » Bélgica identifica segundo homem-bomba como Najim Laachraoui

Bélgica identifica segundo homem-bomba como Najim Laachraoui

segundo terroristaTerroristas antes dos atentados, no aeroporto de Bruxelas.AFP PHOTO / BELGIAN FEDERAL POLICE

O segundo homem-bomba que participou no ataque ao aeroporto de Bruxelas foi identificado pelas autoridades como Najim Laachraoui. Ele também estaria ligado aos ataques ocorridos em novembro em Paris, de acordo com a polícia belga.

Najim Laachraoui foi identificado como o segundo homem-bomba que agiu no aeroporto de Bruxelas.AFP/HO/BELGIAN FEDERAL POLICE

O DNA de Laachraoui foi encontrado em várias residências utilizadas pelos extremistas que cometeram os ataques de 13 de novembro na capital francesa. Segundo o jornal flamengo De Standaard e RTBF, ele é o segundo homem-bomba morto no aeroporto de Bruxelas com Ibrahim El Bakraoui. O irmão deste último, Khalid El Bakraoui, se explodiu na estação de metrô de Maalbeek. Um terceiro homem-bomba, que participou no ataque ao aeroporto, não morreu e é procurado pela polícia.

Em entrevista coletiva na manhã de hoje, em Bruxelas, o procurador da Bélgica, Frédéric Van Leeuwk, confirmou a identificação dos irmãos Khalid e Ibrahim El Bakraoui, de 27 e 30 anos. Ibrahim foi visto inicialmente nas imagens das câmeras de vídeo do aeroporto. Vestido de preto, ele aparece no centro, ao lado de dois outros homens. Suas impressões digitais confirmaram que ele foi um dos homens-bomba que se explodiu no saguão de embarque de Zaventem. Najim Laachraoui é o segundo-homem bomba do aeroporto, que também aparece nas imagens vestido de preto. O terceiro homem do vídeo, com chapéu e roupa clara, continua foragido.

Laachraoui usava identidade falsa
Najim Laachraoui, nascido em 18 de maio de 1991 no Marrocos, cresceu no bairro de Schaerbeek, em Bruxelas. Foi de lá que o trio de extremistas saiu, de táxi na terça-feira (22) pela manhã, rumo ao aeroporto. Desde segunda-feira (21) ele era procurando como parte da investigação sobre os ataques em Paris. A procuradoria descobriu que ele utilizada uma identidade falsa, de Soufiane Kayal.

Sob esse nome falso, ele alugou uma casa em Auvelais, perto de Namur, utilizada por alguns membros dos ataques de 13 de novembro e que foi invadida em 26 de novembro.

Traços de seu DNA foram encontrados no local, bem como no esconderijo de Schaerbeek, onde foram confeccionados os cintos explosivos e por onde o principal suspeito dos atentados de Paris, Salah Abdeslam, passou.

Laachraoui, que partiu para a Síria em fevereiro de 2013, foi julgado à revelia, em fevereiro, em Bruxelas, pelo recrutamento de combatentes e condenado a 15 anos de prisão.
Testamento gravado de Ibrahim El Bakraoui
A polícia belga também encontrou em uma lata de lixo um computador que pertencia ao homem-bomba do aeroporto, com um testamento gravado de Ibrahim El Bakraoui. No áudio, o jihadista diz estar sendo perseguido e sob pressão, e que preferiu agir a terminar seus dias como Salah Abdeslam em uma cela de prisão. Abdeslam, coautor dos atentados de Paris, foi preso na última sexta-feira (18).

Todas essas revelações confirmam a ligação entre os ataques de Paris e de Bruxelas, que teriam sido planejados pelo mesmo grupo de terroristas ligados ao Estado Islâmico.

O procurador belga informou ainda que buscas realizadas ontem, no subúrbio de Schaerbeek, foram encontrados 15 kg de explosivos em pó, 150 litros de acetona, 30 litros de água oxigenada, vários detonadores, uma mala cheia de pregos para aumentar o número de vítimas e dispositivos explosivos.

Noticiário Francês