João Pessoa 17/08/2018 04:00Hs

Início » Mundo » China prevê crescimento entre 6,5% e 7% em 2016

China prevê crescimento entre 6,5% e 7% em 2016

pib da chinaA economia da China deve crescer entre 6,5% a 7% este ano, em um contexto de morosidade e dificuldades estruturais persistentes, segundo previsão feita pelo primeiro-ministro Li Keqiang diante do parlamento. No entanto, o chefe de governo disse que o país pode aumentar seu déficit para sustentar sua atividade econômica.

No ano passado, apesar da previsão do governo de crescer 7%, o PIB chinês registrouexpansão de 6,9%, a mais fraca em 25 anos. Mas, segundo Li Keqiang, as dificuldades este ano serão maiores e mais numerosas. “Os desafios serão mais intensos e devemos nos preparar para o combate”, afirmou.

O primeiro-ministro discursou duas horas na abertura da Assembleia do Povo, o encontro anunal do Partido Comunista Chinês. Li Keqiang desenhou um cenário sombrio para a economia mundial: a “recuperação será lenta” enquando na China “as pressões para queda se acentuam”.

Vários indicadores estão no vermelho: uma demanda interna fraca e queda nas trocas comerciais, contração da atividade manufatureira, estagnação dos investimentos imobiliários, superprodução industrial, fuga de capitais e fortes turbulências no mercado financeiro.

“As incoerências e riscos acumulados há muito tempo estão sendo sentidos de maneira mais intensa, as convulsões da reestruturação econômica e a substituição de novos motores do desenvolvimento se convergem”, alertou o premiê, que prevê ajustes “dolorosos”.

Essa correção de rumo na economia chinesa indica que as autoridades vão orientar o crescimento para o setor de serviços, consumo interno e as novas tecnologias, como as energias renováveis. No entanto, o desenvolvimento do setor de serviços, que representa mais da metade do PIB (50,5%), encontra dificuldade em substituir os tradicionais motores do crescimento (imobiliário, infraestruturas, exportações).

Empregos ameaçados

O chefe de governo anunciou que Pequim pretende diminuir a atual supercapacidade de produção industrial do país. Empresas dos setores de minérios e siderurgia, que sobrevivem graças a crédito e subsídios públicos, serão reestruturadas, sofrerão fusão ou liquidações. O preço a pagar, indicou Keqiang, será a supressão de milhares de empregos.

Ao mesmo tempo, a China decidiu manter sua política monetária e não vai hesitar emaumentar o rombo nas contas públicas para sustentar seu crescimento. O déficit chinês deve passar a 3% do PIB este ano, contra 2,3% em 2015. O programa de isenção de impostos para empresas será expandido enquanto o governo irá aumentar os investimentos em infraestrutura, transporte e energia. No âmbito do plano quinquenal (2016-2020), o equivalente a € 341 bilhões serão investidos na construção e reforma de ferrovias e estradas.

Aumento da população

No encontro foi divulgada a previsão de que em cinco anos a população do país vai crescer em mais 45 milhões de pessoas e atingir quase 1,42 bilhão de moradores até 2020. Esse novo índice representa uma aceleração demográfica significativa em relação ao período anterior, que tinha registrado um crescimento de 33 milhões de pessoas.

Noticiário Internacional