João Pessoa 26/05/2018 19:31Hs

Início » Mundo » Cidadão francês planeava ataques em palcos do Euro2016

Cidadão francês planeava ataques em palcos do Euro2016

cidadão portuguesO jovem foi detido no passado dia 21 de maio. Transportava várias armas de fogo e material explosivo

O homem de 25 anos, detido no mês passado pelos serviços secretos ucranianos, tinha definido 15 alvos diferentes para atacar. Além dos estádios e infraestruturas envolvidas no Europeu de futebol, o cidadão francês tencionava levar a cabo vários atentados em locais de culto, muçulmanos e judeus, e ainda em edifícios administrativos do Governo.

Com um vasto arsenal de guerra à disposição, o cidadão francês detido pelas autoridades quando seguia da Ucrânia em direção à Polónia, com destino a França, tinha alvos bem definidos.

Na mira do cidadão francês estavam locais de culto da comunidade muçulmana e judaica, bem como os edifícios implicados no Euro2016 e ainda edifícios governamentais responsáveis pelas funções tributárias.

Gregóire Moutaux, nome do jovem de 25 anos nascido em Bar-le-Duc, Lorraine, posicionava-se contra o Governo, a imigração em massa, a disseminação do islamismo e tinha um ideário anti-globalização.

Segundo Vasyl Hrytsak, chefe dos Serviços Secretos da Ucrânia (SBU), o jovem “confessou os seus planos para levar a cabo vários ataques terroristas”.

O mesmo responsável acrescenta que o serviço de inteligência ucraniano “conseguiu evitar uma série de 15 atos de terror, planeados para a véspera do Europeu de futebol e também para durante o campeonato europeu”.

Durante a detenção, efetuada a 21 de maio, o jovem transportava na viatura um arsenal de armas e explosivos, incluindo várias metralhadorasKalashnikov, lança-rockets, munições, detonadores e 125 quilos de explosivos.


O material apreendido durante a interpelação por parte das autoridades ucranianas.Foto: EPA

Vasyl Hrytsak acrescenta que o mesmo jovem entrou em contacto com grupos armados da Ucrânia por várias ocasiões, com o objetivo de comprar mais armas e explosivos. Estava em território ucraniano desde dezembro do ano passado e argumentava estar ao lado das tropas que combatem os separatistas russos no Leste do país.

Noticiário Português.