João Pessoa 27/05/2018 13:28Hs

Início » Mundo » Estado Islâmico divulga novo vídeo com suposta decapitação de refém americano

Estado Islâmico divulga novo vídeo com suposta decapitação de refém americano

Em um vídeo publicado na internet neste domingo (16), possivelmente por extremistas do Estado Islâmico, militantes afirmam ter decapitado o refém americano Peter Kassig. As informações são da CNN.

EI VÍDEOEm foto fornecida pela família do americano, Peter Kassig aparece em frente a caminhão com suprimentos para refugiados sírios (arquivo)

 

O vídeo mostra o rescaldo de uma decapitação, do qual não é possível ver claramente o rosto da vítima. Autoridades do Reino Unido e EUA ainda estão tentando confirmar a autenticidade das imagens e a identidade do morto.

Kassig, 26, que havia se convertido ao islã no cativeiro, também ficou conhecido pelo nome de Abdul Rahman Kassig. Ele chegou ao Oriente Médio como soldado e voltou à região como membro de uma equipe médica, compelido a ajudar as vítimas da guerra.

Após voltar a sua vida civil, trabalhou na Síria, onde foi capturado. Ele estava sendo mantido refém por mais de um ano. A vida de Kassig foi ameaçada no mês passado em um vídeo do grupo terrorista, que mostrava a aparente decapitação do trabalhador humanitário britânico Alan Henning.

Pedido de clemência

Uma semana após a publicação do vídeo, a família de Kassig fez um vídeo no youTube no qual pedia que os sequestradores mostrassem clemência e soltassem o jovem. A mãe de Kassig, Paula, se dirigiu ao filho durante a gravação.

“Estamos tão orgulhosos de você e do trabalho que você tem feito ao levar ajuda humanitária aos sírios”, ela disse.

O casal afirmou estar divulgando o vídeo no mesmo dia da festa religiosa Eid al-Adah, ou Festival do Sacrifício, quando muçulmanos abatem cordeiros, cabras, ovelhas e gado e distribuem a carne aos pobres e suas famílias.

Nascido em Indiana, Peter Kassig fundou a Resposta Especial de Emergência e Assistência, uma organização não governamental que ajuda as vítimas da guerra civil na Síria.

Desde 2012, ele fazia entregas de comida e suprimentos médicos dentro e fora da Síria, além de dar atendimento e treinamento, de acordo com a família dele. Mas no dia 1 de outubro de 2013 ele foi sequestrado enquanto seguia para Deir Ezzor, oeste da Síria, enquanto participava de um projeto, explicou sua família.

IG