João Pessoa 17/08/2018 23:23Hs

Início » Mundo » Índia condena cinco homens pelo estupro coletivo de uma turista em 2014

Índia condena cinco homens pelo estupro coletivo de uma turista em 2014

Sentença - que pode ser de vinte anos a prisão perpétua - será anunciada na quinta-feira

índia estuporPoliciais indianos escoltam acusado do estupro coletivo de uma turista dinamarquesa em Nova Délhi 

A Justiça da Índia condenou nesta segunda-feira cinco homens pelo estupro coletivo de uma turista dinamarquesa em Nova Délhi há pouco mais de dois anos. A sentença será proferida na quinta-feira, dia 9, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

Em janeiro de 2014, nove homens violentaram e roubaram a turista de 52 anos que estava perdida na capital indiana. Após visitar o Taj Mahal, ela pediu informações ao grupo sobre a localização do hotel e foi atacada. Além dos cinco condenados, três jovens estão sendo julgados separadamente – pela Justiça juvenil da Índia – e o nono acusado morreu durante o julgamento.

De acordo com a nova legislação indiana, que endureceu a punição para crimes sexuais, a pena mínima para estupro coletivo é de 20 anos de prisão com multa, podendo chegar à prisão perpétua.

 

No mesmo mês em que a dinamarquesa foi atacada, outros casos de estupro de turistas chocaram o país. Uma mulher polonesa que viajava de carro com a filha pequena foi drogada e estuprada, e uma voluntária alemã de 18 anos foi violentada em um trem que se dirigia à cidade de Chennai, no estado de Tamil Nadu, no sul do país.

Em outubro do ano passado, dois casos de estupro coletivo no mesmo dia provocaram uma onda de protestos na Índia: duas meninas de 2 anos e 5 anos foram violentadas por mais de um agressor em dois ataques separados em Nova Délhi. A bebê de 2 anos foi levada de um evento religioso, estuprada por dois homens e abandonada em um parque no oeste da capital indiana. No outro caso, uma menina de 5 anos foi violentada por três homens, um deles seu vizinho.

O estupro coletivo de uma jovem indiana em dezembro de 2012 gerou um debate sem precedentes sobre a situação da mulher no país e levou o Parlamento Nacional a aprovar, em março de 2013, uma lei para endurecer as penas contra agressores sexuais.

(Da redação)