João Pessoa 20/06/2018 05:14Hs

Início » Mundo » Maioria do povo grego diz ‘não’ a exigências de mais austeridade de credores do país.

Maioria do povo grego diz ‘não’ a exigências de mais austeridade de credores do país.

Condições para novo pacote de resgate têm mais de 61% de rejeição em referendo realizado neste domingo.

grecia referendoNa Praça Klafthmonos, em Atenas, gregos comemoram as primeiras projeções sobre o referendo que indicam a vitória do “não”, ou seja, da rejeição às propostas dos credores europeus 

ATENAS – A maioria dos gregos disse “não” à adoção de mais medidas de austeridade no país propostas pelos credores do país, a chamada troika — Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia (CE) — em troca de um novo pacote de socorro financeiro. Em referendo realizado neste domingo, com mais de 80% das urnas apuradas, a opção “não” vencia com 61,5% dos votos, contra 38,5% do “sim”.

Mulher comemora vitória parcial do ‘não’ em Atenas – YANNIS BEHRAKIS / REUTERS

Os resultados mostraram uma vitória ainda mais elástica que as primeiras pesquisas informais divulgadas após o fechamento das urnas, às 13h (de Brasília). Mais cedo, a sondagem do GPO, encomendada pela TV Mega, por exemplo, indicava ligeira vantagem para o “não”, com 51,5% dos votos. Já o “sim” tinha 48,5% dos votos.

Funcionários contam as cédulas em Iraklio – STEFANOS RAPANIS / REUTERS

Em pronunciamento à TV, o premier Alexis Tsipras afirmou que o governo volta a negociar com os credores nesta segunda-feira.

— Estamos prontos para continuar a negociar com um plano de reformas, e o objetivo de levar nosso sistema bancário à normalidade rapidamente.

No domingo, foram adotadas medidas de controle de capitais para proteger o sistema bancário nacional, que vinha sofrendo pesados saques por parte da população. O governo determinou que os bancos no país permanecessem fechados até esta segunda-feira, 6 de julho. A Bolsa de Atenas também ficou fechada. O ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, informou neste domingo que os bancos reabrem nesta terça-feira.

— Todos nós sabemos que soluções fáceis não existem, mas soluções justas existem.

O presidente da França, François Hollande, e a chanceler federal alemã, Angela Merkel, pretendem se reunir nesta segunda-feira em Paris para discutir o resultado. A Comissão Europeia, por sua vez, informou que seu presidente, Jean-Claude Junker, consultará até amanhã os líderes dos demais países da zona do euro sobre o resultado e a situação da grécia. Ainda é incerto se o país permanecerá na zona do euro.

CREDORES QUERIAM MAIS CORTES

O referendo foi convocado pelo governo grego no sábado, 27 de junho, diante da posição inflexível dos credores em mais um encontro de emergência sem acordo. As negociações eram uma corrida contra o tempo antes do vencimento, na última terça-feira, dia 30, de uma parcela de € 1,6 bilhão do atual pacote de resgate. Sem acordo, a parcela não foi paga e o país se tornou a primeira nação desenvolvida a dar calote no FMI.

Em termos gerais, a troika cobrava da Grécia mais austeridade. Imposto sobre vendas, pensões e reformas no mercado de trabalho estão entre as medidas incluídas nos termos dos credores. O plano cobra das autoridades gregas que “reconheçam que o sistema de pensões é insustentável e precisa de reformas fundamentais”, para implementar totalmente uma lei de pensões de 2010 e começar a introduzir cortes a partir de 2015.

Salários de funcionários públicos, cobrança de impostos e tributação das empresas também foram incluídos. As medidas estão em uma lista de “ações prévias” com as quais a Grécia precisa se comprometer, a fim de permanecer no programa de resgate e obter novos desembolsos de ajuda.

Outras medidas da proposta de resgate rejeitada pela Grécia são: as metas para o superávit primário são de “1%, 2%, 3% e 3,5% do PIB em 2015, 2016, 2017 e 2018”; mudanças no imposto sobre valor agregado a partir de 1º de julho de 2015, para elevar a receita para 1% do PIB ao ano; mudanças no sistema previdenciário que gerariam uma “poupança permanente estimada em 1,25% a 1,5% do PIB em 2015 e em 1% do PIB em uma base anual em 2016”; comprometimento com a lei para desencorajar a aposentadoria precoce; elevação do imposto corporativo de 26% para 28%; introdução de um imposto sobre propagandas de televisão; extensão do aumento de impostos sobre embarcações de luxo; mudanças na lei de falências; e alterações na grade salarial da administração pública.

Em relatório, o próprio FMI admitiu que a dívida do país é impagável e insustentável. O documento apontou a necessidade de € 60 bilhões em ajuda para que o país se mantivesse até 2018.

POBREZA AVANÇA

Os números mostram a dura realidade vivida pelos gregos. Entre os quase 11 milhões de habitantes, a crise econômica já deixou 2,5 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Eles integram um grupo de 3,9 milhões, segundo dados da agência estatística Eurostat, em risco de pobreza ou exclusão social, o que corresponde a 35,7% da população grega — na União Europeia (UE), apenas Bulgária e Romênia estão pior nesse indicador.

O desemprego disparou de 8,3% em 2007 para 26,5% no ano passado e chega a 55% entre os jovens. Nesse quadro, os aposentados acabam se tornando um arrimo de família, já que têm renda garantida, em parte graças ao Ekas, um programa especial de Previdência que complementa as pensões de valor mais baixo — algo com o que a troika — formada por Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e FMI — que acabar.

Sob o controle de capitais, em vigor até a próxima terça-feira, os idosos podem fazer saques diários de € 120, o dobro do permitido aos demais cidadãos. Mas, à medida que a crise se agrava, muitas pessoas poderão não ter nem € 60 em suas contas para sacar.

É com base nesses números que Tsipras argumenta não ser mais possível adotar novos cortes em aposentadorias. Para seu partido, o Syriza, a Grécia enfrenta uma catástrofe humanitária.

O Globo