João Pessoa 25/05/2018 22:45Hs

Início » Mundo » Para 68%, imposto alto estimula pirataria de cigarro, diz DataPoder360

Para 68%, imposto alto estimula pirataria de cigarro, diz DataPoder360

73% acham que o cigarro pirata é menos seguro - Anvisa deve combater cigarro pirata, dizem 81%

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 30-05-2014, 11h30: Fumante. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O imposto sobre o cigarro no Brasil representa 68% do preço do produto; no Paraguai o percentual é de 17,4%

A cobrança de altos impostos no Brasil incentiva a compra de cigarros piratas, constatou pesquisa realizada neste mês pelo DataPoder360. Para 68% dos entrevistados, a incidência pesada de tributos sobre os cigarros favorece o comércio de produtos contrabandeados, principalmente de países como o Paraguai, onde é cobrado um quarto do imposto do Brasil.

Ao adquirir um maço de cigarro no Paraguai, o consumidor paga bem menos do que no Brasil. Enquanto aqui o imposto representa 68% do preço do produto, no Paraguai o percentual é de 17,4%. Esse detalhe repercute sensivelmente no valor final do maço de cigarros e, como consequência, leva parte dos brasileiros a comprar produtos contrabandeados..

De 16 a 19 de novembro, o DataPoder360 entrevistou por telefone 2.205 pessoas em 215 municípios brasileiros. Dos entrevistados, apenas 17% discordaram da afirmação de que os altos impostos cobrados no Brasil incentivam o contrabando do cigarro. A margem de erro da pesquisa é de 2,8 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi encomendada pelo Fórum Nacional Contra Pirataria e Ilegalidade.

Para quase 3/4 dos entrevistados (73%), o cigarro pirata é menos seguro para o consumo do que o produto fabricado oficialmente. Somente 9% disseram que o cigarro contrabandeado é tão ou mais seguro do que o vendido no mercado legal.

Mais da metade das pessoas ouvidas pelo DataPoder360 (52%) afirmaram ter consciência sobre o fato de que cigarros contrabandeados têm substâncias perigosas à saúde dos consumidores. Nesse grupo, 60% disseram que são fumantes regulares.

Quase ¾ dos entrevistados (72%) disseram conhecer a Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Segundo o DataPoder360, só 30% dos entrevistados acham que a Anvisa está cumprindo bem o seu papel de fiscal das políticas de saúde no Brasil:

Por fim, o DataPoder360 quis saber dos entrevistados se a Anvisa, que é responsável por fiscalizar e garantir as políticas de saúde pública, deveria combater o comércio de cigarros contrabandeados no país. A resposta foi afirmativa por parte de 81% das pessoas:

CARGA TRIBUTÁRIA

O Brasil é um dos países americanos com a maior carga tributária sobre cigarros. O campeão em cobrança de tributos sobre o produto é o Chile, onde o total de taxas desse tipo no preço de 1 maço de cigarro representa 89,1%. Por outro lado, o Paraguai é o 2º país que menos cobra impostos sobre a venda de cigarros: 17,4%. A menor alíquota (15,5%) incide sobre o produto comercializado em Antígua e Barbuda.

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 uma divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

A missão do DataPoder360 é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com cerca de 80 milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de um sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas são consideradas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

O resultado final é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é um procedimento estatístico que visa compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada.

Poder360