João Pessoa 21/05/2018 15:11Hs

Início » Notícias » 18 homicídios são registrados na PB durante feriado de Natal; Delegado vê ‘indulto’ natalino como potencializador desses números

18 homicídios são registrados na PB durante feriado de Natal; Delegado vê ‘indulto’ natalino como potencializador desses números

revolver da violenciaDa véspera de natal até esta sexta (26), foram registrados 18 homicídios na Paraíba. Nas 24 horas do feriado foram 12 na Grande João Pessoa, sendo 11 apenas na Capital. De acordo com a PM, dois eram presidiários em saída temporária de Natal e aponta o ‘indulto’ como motivação para o aumento dos crimes.

Na Grande João Pessoa no dia 24 foram cinco mortes: Uma no Alto do Mateus, uma no Cristo Redentor, uma em Mangabeira, uma no Bairro dos Ipês e uma em Mandacaru. Já no dia 25 foram seis: Uma no Bairro dos Estados, uma em Mandacaru, uma no Roger, uma em Cruz das Armas, uma no Bairro das Indústrias e uma em Santa Rita. Além de mais uma na madrugada de hoje que não foi contabilizada no feriado na Comunidade Monsenhor Magno Valentina de Figueiredo.

O delegado titular e plantonista de Homicídios Reinaldo Nóbrega, comentou que desses crimes, dois foram cometidos contra apenados que haviam sido beneficiados com saídas temporárias de natal. Para eles, muitos presos que recebem indultos e saídas temporárias contribuem para acertos de contas com rixas passadas e isso aumenta o número de homicídios.

De acordo com o delegado, esses presidiários assassinados estavam descumprindo os termos estabelecidos para a saída temporária e apontou que eles fazem isso, pois a fiscalização é precária. “A legislação tem que ser revista. São precisos outros mecanismos para garantir que essas pessoas sob saída temporária, indulto, prisão domiciliar tenham fiscalização contundente”, diz. Antes de receberem a saída, foi divulgado que os presos seriam monitorados, mas o delegado disse que não tinha efetivo suficiente.

O delegado afirmou que a polícia trabalha com diversas linhas de investigação. “Cada um tem uma história, alguns já temos a autoria definida, outros estamos em diligência para a prisão em flagrante e outros temos indicativos de nome e vamos trabalhar com calma. Há também os em fases bem iniciais com informações precárias”, afirma. Ele também pediu ajuda a população que passe informações através do 197 que é o disque denúncia da Polícia Militar.

Outra dificuldade apontada por Nóbrega é o número de crimes que acontecem quase simultâneamente, ele destacou que a polícia não é onipresente e não pode estar em vários locais ao mesmo tempo. A polícia Civil também que precisa dar continuidade aos inquéritos. “Tentamos fazer um trabalho de excelência com o que temos”, diz.

Confira os crimes:

Na véspera de Natal o primeiro crime aconteceu durante a tarde da comunidade da Mônica no Alto do Mateus. Moradores escutaram os disparos e ligaram para a polícia que ao chegar a um matagal encontrou um homem com cerca 35 anos morto com um tiro na face.

Por volta das 18 horas, foi registrado o segundo assassinato da noite. O crime aconteceu na comunidade Vale das Palmeiras, no bairro do Cristo. Um jovem identificado até agora por “Pietro” e que tinha cerca de 30 anos foi executado com cerca de dez disparos de arma de fogo que atingiram principalmente a cabeça.

O terceiro e último assassinato da noite aconteceu no conjunto Mangabeira. De acordo com a polícia, por volta das 21 horas dois homens pilotava uma moto pela avenida Alfredo Ferreira da Rocha quando foram atingido por vários disparos. Um dos jovens morreu no local e o corpo ficou ao lado da moto enquanto que o colega dele foi socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena.

Por volta das quatro horas da madrugada desta quinta-feira (25) a polícia registrou um assassinato no conjunto Pedro Gondim, em João Pessoa. A vítima, identificada por Rafael, vinha do Clube Ponte Preta, no Bairro de Mandacaru, e um carro com outros amigos que estavam de moto. As duas pessoas que estavam na moto foram assaltadas e Rafael presenciou toda a cena. Ao perceber que estavam sendo vistos, os dois bandidos que estavam de moto, atiraram no carro. A bala atravessou o vidro e atingiu a cabeça de Rafael. Ferido, ele que perdeu o controle do carro e acabou derrubando o muro de uma casa, vindo a falecer no local.

Na manhã do dia 25 um jovem com 18 anos de idade foi executado a tiros no bairro do Roger.

De acordo com a polícia, Moisés da Silva, 18 anos, caminhava ao lado da esposa nas proximidades do Campo do Onze, quando foi surpreendido por desconhecidos que estavam em um carro. Os homens não disseram nada e já foram atirando no jovem que ainda chegou a ser socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, mas não resistiu a gravidade dos ferimentos e faleceu. A esposa dele saiu ilesa.

O último homicídio foi na cidade de Mulungu, no Brejo do estado, por volta das 22h, desta quinta. A vítima foi um idoso de 80 anos que foi morto a pauladas dentro de casa. O suspeito do crime foi preso em flagrante e disse que matou o aposentado para não morrer.

Ainda no interior do estado, a Polícia Militar registrou a morte de outras sete pessoas. Os homicídios ocorreram nas cidades de Itaporanga, Remígio, Borborema, Sapé, Lagoa Seca, Desterro e Cajazeiras, onde um homem de 53 anos foi assassinado ao ter sido atingido na cabeça com vários golpes com um capacete. O suspeito do crime é o genro da vítima.

Em João Pessoa, o último homicídio durante os festejos natalinos ocorreu no bairro das Indústrias. Segundo a Polícia Civil, Weldes Barbosa Gouveia, 28 anos, estava em casa consumindo bebida alcoólica e quando saiu para comprar cervejas foi perseguido por dois homens em uma moto, que efetuaram disparos contra ele. O pai da vítima disse que o filho não tinha passagem pela polícia, mas era usuário de drogas.

Já  por volta das 1h30 desta sexta (26), um homem foi assassinado na comunidade Monsenhor Magno, em um tiroteio no bairro do Valentina, em João Pessoa. A vítima foi encontrada na Rua das Cupibas. Segundo informações apuradas pela Polícia, houve um tiroteio no local. O homem não tinha identificação.

Marília Domingues / Paulo Cosme / David Martins