João Pessoa 24/05/2018 02:32Hs

Início » Notícias » Boca de urna indica derrota de Evo Morales em referendo.

Boca de urna indica derrota de Evo Morales em referendo.

Consulta decide se presidente pode concorrer de novo em 2019

Bolivia-referendoÍndios Aymara votam em Huarina, a 75 km de La Paz – AIZAR RALDES / AFP

LA PAZ, Bolívia — As primeiras pesquisas de boca de urna indicam uma derrota do presidente boliviano Evo Morales no referendo, realizado neste domingo, que decidirá se ele pode concorrer a um quarto mandato consecutivo em 2019. Segundo levantamento do instituto Ipsos, 52,3 % dos eleitores teriam votado contra a mudança constituicional, enquanto 47,7% teriam votado a favor. A diferença é menor ainda segundo o instituto Mori, que aponta 51% dos votos pelo “não” e 49% pelo “sim”.

Uma vitória permitiria a Morales se candidatar em 2019, para tentar permanecer no poder até 2025. Eleito em 2006, ele está há dez anos na Presidência, e esta é sua primeira grande derrota.

As urnas foram fechadas na maioria do país às 17h (18h no Brasil) e a apuração ainda está em andamento. O resultado final poderá levar 48 horas para ser conhecido. Segundo o órgão eleitoral, a participaçao foi maciça, chegando a 80%.

Mais cedo, Morales pedira para que a população compareça em peso à votação. Até a semana passada, as intenções de voto para o “sim” e para o “não” estavam praticamente empatadas. No entanto, com recentes denúncias de corrupção atingindo o partido e suspeita de tráfico de influência em relação a uma antiga namorada, as pesquisas começaram nas últimas semanas a indicar que os partidários do “não” superam o “sim”.
Cocaleira joga pétalas de flor em Morales em Villa, na região do Chapare – AP
De acordo com o tribunal eleitoral, foram autorizadas a votar 6,2 milhões de pessoas dentro da Bolívia, e 258 mil cidadãos bolivianos no exterior. O departamento tem o maior número de eleitores é a capital, La Paz, com 1,7 milhão.

CÉDULAS QUEIMADAS EM SANTA CRUZ

O principal incidente do dia foi registrado em uma escola em Santa Cruz. A falta de atas de registro atrasou a votação, e eleitores revoltados colocaram fogo nas cédulas. Segundo a emissora de TV Unitel, estas seções deverão repetir a votação em 6 de março.

Em outros locais, a falta de material fez com que as seções só fossem abertas ao meio-dia, prolongando a votação até as 20h (21h no Brasil).

A votação dos bolivianos que vivem no exterior será realizada em 33 países. A maioria na Argentina, com 116 mil, seguido pela Espanha, com 70 mil; pelo Brasil, com 31 mil; e pelo Chile, com 15 mil; e pelos EUA, com 12 mil.
Uma mulher passa em frente a um muro no qual aparece um desenho favorável à reforma política – Juan Karita / AP
Os bolivianos que vivem en Seúl, na Coreia do Sul, foram os primeiros a votar neste domingo, devido ao fuso horário.

— Oficialmente, iniciou-se o referendo com o primeiro voto em Seúl, e estamos preparando as mesas de votação em Pequim, na China, e em Tóquio, no Japão — disse à TV estatal da Bolívia o porta-voz do Tribunal Supremo eleitoral, José Luis Exeni.

O Globo