João Pessoa 21/04/2018 03:51Hs

Início » Notícias » Como a polícia espanhola conseguiu evitar um massacre em Cambrils

Como a polícia espanhola conseguiu evitar um massacre em Cambrils

Horas depois do atropelamento em Barcelona, foram mortos cinco suspeitos de terrorismo que pretendiam fazer um atentado

Agentes da polícia junto ao veículo utilizado pelos terroristas. AP

Os Mossos d’Esquadra (polícia regional catalã) mataram nesta madrugada cinco terroristas que pretendiam fazer um atentado em Cambrils (Tarragona) horas depois do atropelamento maciço da tarde desta quinta-feira que provocou a morte de 13 pessoas em Barcelona, às quais se soma uma vítima fatal entre os atingidos em Cambrils, segundo informação da CatSalut. Os agentes atiraram primeiro nos terroristas, que estavam em um veículo armados com cinturões explosivos falsos, segundo afirmou o secretário do Interior, Joaquim Forn. O quinto terrorista foi morto pouco depois, ao ser localizado a partir de um helicóptero pelos policiais.

De acordo com as conclusões iniciais da investigação judicial ainda em curso, os cinco terroristas viajam em um carro pela orla marítima de Cambrils quando se depararam com uma barreira policial de controle. Antes de chegar ao local onde os agentes estavam, eles começaram a atropelar pedestres que caminhavam na área e alguns policiais, que reagiram ao ataque com disparos. Estes levaram o veículo a capotar, momento em que os cinco terroristas saíram andando armados com facas.

Os Mossos d’Esquadra conseguiram matar quatro deles perto do carro. O quinto homem conseguiu por cerca de 500 metros pela avenida da orla. Antes de ser neutralizado a tiros pelos agentes, o terrorista feriu uma mulher, que está em estado crítico. Outra mulher ficou ferida gravemente por causa do atropelamento.

No total, o saldo foi de seis feridos, sendo três policiais. Todos eles foram levados aos hospitais Joan XXIII e Santa Tecla de Tarragona. Camí Mendoza, prefeita de Cambrils, afirmou na madrugada desta sexta-feira que o secretário do Interior, Joaquim Forn, divulgará ainda hoje os detalhes sobre a operação e que acreditava que a cidade voltaria à normalidade neste mesmo dia. “Quero agradecer a rapidez com que agiu a patrulha dos Mossos, que estava na hora e no local certos”, disse.

Cambrils viveu na noite passada um pesadelo que deixou suas ruas vazias e centenas de turistas confinados nos hotéis, restaurantes e cafeterias. Ainda sob o impacto da comoção causada pela tragédia do atentado na Rambla de Barcelona, a polícia catalã confirmou de madrugada que acabara de realizar uma “operação policial” em Cambrils relacionada a um “possível atentado terrorista”, ao mesmo tempo em que recomendava aos moradores que não saíssem de suas casas.

Assim foi morto o quinto suspeito de terrorismo dos atentados na Espanha

Vídeo mostra o momento em que os policiais catalães dispararam contra um homem relacionado ao ataque em Cambrils

Os Mossos trabalham com a hipótese de que os terroristas mortos em Cambrils estariam ligados aos fatos ocorridos em Barcelona e em Alcanar [uma explosão dentro de uma casa que deixou um morto e sete feridos na madrugada da quinta-feira], segundo a polícia. Depois de matar os terroristas, os agentes efetuaram várias explosões controladas para desativar os explosivos, que acabaram se mostrando falsos, de acordo com os Mossos.

O segundo atentado terrorista aconteceu por volta da 1h15 da madrugada (hora local), quando uma patrulha fez sinal para um veículo parar perto do Clube Náutico de Cambrils. Várias testemunhas, turistas holandeses, afirmam que os terroristas então atropelaram três pessoas e em seguida ignoraram a ordem dos agentes. Os terroristas desceram do veículo armados com explosivos; os policiais feriram um deles em uma perna e começou então um tiroteio.

“Trabalhamos com a hipótese de que os fatos de Cambrils correspondem a um ataque terrorista. Abatemos os supostos autores”, confirmou a polícia catalã no Twitter. Os telefonemas dados para os prontos-socorros expressam angústia vivida nessa madrugada em Cambrils, que ficou totalmente deserta. Era possível ver apenas alguns pequenos grupos aguardando notícias de familiares que vivem perto do Clube Náutico; ou pessoas que, com as luzes apagadas, tentavam enxergar alguma coisa das varandas enquanto se ouvia o barulho inquietante do helicóptero.

O pânico desencadeou cenas de angústia, como a protagonizada por quatro jovens que fugiram do centro nadando até a outra ponta do Porto. A cidade ficou totalmente cercada por controles policiais enquanto os turistas permaneciam em seus locais ou se confinavam nas entradas dos hotéis. Às 7h, a polícia científica trabalhava para registrar dados no local dos acontecimentos.

“NASCEMOS DUAS VEZES”

Os hotéis de Cambrils alojaram nesta quinta-feira dezenas de turistas que não podiam se dirigir aos veículos estacionados perto do Clube Náutico. Foi o caso de um estabelecimento do centro, que já estava lotado mas abrigou no hall de entrada cerca de trinta turistas holandeses e espanhóis que passaram a noite cobertos com mantas. Vários deles tinham presenciado o tiroteio. Também teve sorte um casal de Valencia, Ray e Rocío, que por volta das 6h conseguiu passar pelos inúmeros controles dos Mossos até chegar à sua casa. Nessa mesma manhã, eles tinham decidido passar o dia em Barcelona, mas acabaram desistindo. Depois de acompanhar pela televisão a tragédia da Rambla, eles decidiram sair e pegaram um ônibus para Salou a fim de descansar e se distrair um pouco. Entraram no veículo poucos minutos antes do aparecimento dos terroristas em Cambrils e bem perto do ponto, a poucos metros de onde o tiroteio aconteceu. “Nascemos duas vezes”, diziam.

El País