João Pessoa 26/05/2018 02:01Hs

Início » Notícias » Convenção veta novos ministros do PMDB no governo Dilma

Convenção veta novos ministros do PMDB no governo Dilma

Moção aprovada no evento proíbe filiados de assumirem cargos no governo nos próximos trinta dias, até o partido decidir sobre rompimento

convenção pmdb 1A convenção nacional do PMDB aprovou neste sábado uma moção que proíbe filiados de assumirem novos cargos no governo federal nos próximos trinta dias, período em que o partido avaliará se rompe com a presidente Dilma Rousseff e adota uma posição de independência no Congresso. Deputados e dirigentes de oposição, favoráveis ao impeachment de Dilma, pressionaram para que o veto fosse à votação, o que não estava nos planos da cúpula do partido.

O objetivo é evitar que o deputado Mauro Lopes (MG) venha a assumir a Secretaria da Aviação Civil e se torne o oitavo ministro peemedebista no governo. A decisão foi tomada com o plenário esvaziado, depois de o vice-presidente da República, Michel Temer, deixar a convenção em Brasília acompanhado pelos caciques do partido, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ).

Apesar do veto, Mauro Lopes deseja assumir o cargo que havia sido oferecido à bancada de Minas Gerais pelo Planalto na última eleição da liderança do partido na Câmara. Ele questionou a validade da moção, cuja votação não era prevista no edital da convenção. Por causa da intenção de assumir a Aviação Civil, o deputado quase perdeu o posto de secretário-geral do PMDB para o ex-ministro Eliseu Padilha. Ao fim da convenção, porém, ele permaneceu na Executiva Nacional, depois de a bancada mineira garantir que Lopes não será mais indicado ao ministério, conforme o senador Romero Jucá (RR), agora primeiro vice-presidente nacional.

 

“Não vamos aceitar nenhum cargo nos próximos trinta dias. Temer, precisamos decidir essa questão política”, cobrava o prefeito de Araraquara (SP), Marcelo Barbieri. “Nós não deliberamos se vamos aceitar a cooptação por parte da presidente Dilma para tentar desmontar o PMDB com novos cargos.”

O ex-ministro da Aviação Civil Eliseu Padilha ainda telefonou para o vice-presidente e tentou conter a apreciação da moção. Primeiro, ele disse que Temer recomendou uma consulta ao setor jurídico do PMDB. Minutos depois, entre gritos de “saída já” e “fora PT”, anunciou que a votação seria liberada.

A decisão foi comemorada por integrantes da Juventude do PMDB e deputados como Carlos Marum (MS), Darcísio Perondi (RS) e Osmar Terra (RS). “Quem aceitar qualquer cargo no governo a partir de agora e quem não sair vai estar expulso do partido dentro de trinta dias”, disse Terra. “Quem sustenta esse cadáver insepulto desse governo são os governistas do PMDB”, afirmou Marum.

O ex-vice-presidente da Caixa e ex-ministro Geddel Vieira Lima (BA), atualmente contrário à aliança com o PT, ainda tentou constranger o ministro da Saúde, Marcelo Castro, ao cobrar abertamente – na mesa – que explicasse aos militantes o motivo de ainda estar no governo.

Veja