João Pessoa 26/05/2018 06:30Hs

Início » Notícias » Crianças caçam ratos para comer carne na PB; prefeito diz que família teria negado ajuda

Crianças caçam ratos para comer carne na PB; prefeito diz que família teria negado ajuda

Famílias beneficiárias do Bolsa Família alegam que renda não dá para alimentação e roedores viram opção em cardápio das duas refeições diárias, na periferia de Alagoa Grande

ratosA escassez de comida na mesa de muitos paraibanos está levando uma família da cidade de Alagoa Grande (na região do Brejo, a 148 km de João Pessoa), à uma situação extrema: caçar roedores para complementar a alimentação. Na comunidade Barreiras, no Sítio Tambor, virou rotina crianças saírem quase todos os dias, sempre à tarde, para colocarem armadilhas para ‘rato de Junco’. O prefeito da cidade disse que o Município vai ajudar a família, mas que já teria oferecido apoio anteriormente e eles teriam recusado.

Segundo o prefeito, a administração municipal tem conhecimento do problema enfrentado pela família, mas a situação é de difícil controle.

“Conheço a família. Eles moram na Zona Rural do município em uma área de domínio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). É uma região carente, mas o fato dessa e de outras famílias comerem caça como carne de rato do junco, teju ou preá não pode ser controlado pelo poder público. É um hábito alimentar comum em outras cidades e esse ato alimentar não cabe a mim julgar”, contou o prefeito de Alagoa Grande.

Ainda segundo o prefeito, a família recebeu doações de objetos em 2014 e foi oferecida uma nova moradia, mas a ação foi recusada.

“Já visitamos eles no ano passado e foi oferecida uma moradia de aluguel, custeada pela prefeitura, para que eles pudessem viver em um local melhor, mas a família recusou. Na ocasião eles receberam filtros, colchão e outros utensílios. Iremos retomar as visitas e tentar ajudar essa família a sair dessa situação”, disse o prefeito.

A caça ao animal é artesanal e feita em uma lagoa que fica no centro da cidade. Uma das crianças revelou que há uma semana sua família se alimenta com rato, porque não dinheiro para comprar a “mistura” e nem outros alimentos. “A gente vai um dia sim, outro não. A gente mete o pau no ninho e mata os ratos (sic)”, contou um menino de 10 anos.

O registro da situação de extrema pobreza de uma família que é comandada por uma mulher de nove filhos foi feito pelo blogueiro Júlio Araújo. Ele flagrou um grupo de crianças saindo de um matagal com os animais já prontos para o consumo.

“Eu fui até a casa da família para fazer uma reportagem sobre um homem que tinha morrido na comunidade. Quando estava iniciando a matéria, vi as crianças saindo do mato com os animais e todos tratados. Perguntei para qual a finalidade dos animais e eles foram enfáticos: para comer. Fiquei chocado com a situação de pobreza da família”, relatou Queiroz, com um tom de emoção.

O imóvel onde a família mora ainda é feito de barro. A casa de poucos cômodos não possui rede de esgoto, a instalação elétrica é feita com gambiarras e não há higiene. Para matar a sede, os garotos pegam água de um açude próximo onde não há tratamento adequado para o consumo. “Podemos dizer que é uma pobreza muito grande, que não sei mensurar. Fiquei muito chocado e comovido. Eles bebem água barrenta que pegam em um açude. Daí, usei o jornalismo para tentar ajudar essa família e amenizar a dor dessas crianças”, disse o blogueiro.

Apesar de a maioria dos moradores da comunidade ter acesso ao programa Bolsa Família, eles – que sobrevivem com cerca de R$ 240 – afirmam que o dinheiro que recebem não dá para comprar a “mistura” para complementar o almoço e o jantar, e acabam saindo à caça de ratos para suprir a falta de carne nas refeições.

O homem que foi encontrado morto, de acordo com o registro feito na delegacia local, era o chefe da família citada na reportagem e teria cometido o suicídio porque devia R$ 150 a um comerciante na compra de uma cesta básica para alimentação dos filhos. Como não tinha condição financeira para quitar o débito, resolveu tirar a própria vida.

Segundo o Portal da Transparência do Governo Federal, somente este ano, o município de Alagoa Grande recebeu pouco mais de R$  4 milhões e 226 mil par atende os beneficiários do Bolsa Família.

‘Rato do Junco’

Segundo Ivonete Márcio, bióloga e integrante da Vigilância Ambiental de João Pessoa, o ‘Rato de Junco’ é uma espécie de animal silvestre de hábitos noturnos semi-aquático. “Não há relato de problemas de saúde em decorrência da ingestão do animal. Em muitas regiões isso é consumido, mas devemos ter alguns cuidados com a higienização. O rato pode transmitir algumas doenças típicas das ratazanas”.

O animal é um roedor maior que o rato-comum-das-casas, de cor geral avermelhadas na região superior e cinza ventralmente.Alimenta-se de partes de vegetais aquáticos, sementes silvestres e cultivadas,mas podem até chegar a comerem animais invertebrados. Os ninhos são construídos em touceiras de capim, geralmente em terrenos brejosos; suas ninhadas chegam a até 10 filhotes.

Portal Correio