João Pessoa 24/06/2018 14:28Hs

Início » Notícias » Datafolha: Russomanno lidera corrida eleitoral ao governo de São Paulo

Datafolha: Russomanno lidera corrida eleitoral ao governo de São Paulo

Doria e Skaf ficam em 2º lugar - Serra e Kassab são os mais rejeitados

O deputado federal Celso Russomanno (PRB) está à frente em todos os cenários da corrida eleitoral para o governo de SP em 2018

O instituto Datafolha divulgou nesta 2ª feira (4.dez.2017) uma pesquisa de intenção de voto ao governo de São Paulo em 2018. Celso Russomanno (PRB), que foi candidato a prefeito de SP em 2016, lidera em todos os cenários testados. O atual prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB), fica em 2º nos 2 cenários em que teve seu nome avaliado.

Russomanno lidera com percentuais que vão de 25% a 32% (no cenário sem tucanos). O deputado federal do PRB ficou em 3º lugar na eleição municipal de 2016. Doria, que se elegeu no 1º turno, ficou com 18% e 19% nos cenários em que foi testado.

Nos cenários sem o prefeito paulistano, o possível candidato do PMDB, Paulo Skaf, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), ocupa a 2ª posição. Seus percentuais de intenção de voto variam de 13% a 20% (também no cenário sem tucanos).

No cenário com o senador José Serra candidato pelo PSDB, Russomanno aumenta sua vantagem. O deputado federal fica com 27% e o tucano, com 14%, em 3º lugar. Neste cenário, Skaf sobe para a 2ª posição, com 16%.

Nos casos em que é testado, o ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho, pré-candidato do PT, divide o 4º lugar com o atual vice-governador, Márcio França (PSB), além de Rodrigo Garcia (DEM), Gilberto Kassab (PSD) e Gabriel Chalita (PDT) todos na faixa de 2% a 5% de intenções de voto.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), cotado como alternativa a corrida presidencial caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seja impedido pela Justiça, se sai melhor que Marinho no Estado, com 9% de intenções de votos no cenário com Doria e 8% com Serra.

O ex-prefeito Gilberto Kassab, hoje ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, tem desempenho ruim. O possível candidato do PSD varia de 3% a 5% das intenções de voto. Não consegue se destacar da massa de candidatos como Rodrigo Garcia (DEM), Gabriel Chalita (PDT) e Marcio França (PSB).

Vice de Alckmin, Marcio França (PSB) assumirá a cadeira em abril no Palácio dos Bandeirantes se o tucano deixar o cargo para disputar a Presidência da República. Dos 7 cenários simulados pelo Datafolha, seu melhor desempenho é de 3%, quando o PSDB lança José Aníbal ou não lança ninguém. Nos demais, ele marca 2%.

Nos recortes socioeconômicos, Celso Russomanno se sai melhor entre os menos instruídos e mais pobres. João Doria cresce entre os mais ricos e mais instruídos, assim como Paulo Skaf e o Fernando Haddad.

Para realizar a pesquisa, o Datafolha fez 2.006 entrevistas presenciais em 68 municípios nos dias 28, 29 e 30 de novembro. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

INDEFINIÇÃO TUCANA

Ainda não há clareza sobre o nome que disputará a sucessão de Geraldo Alckmin pelo PSDB. Serra e Doria têm dado sinais de interesse.

Já o tucano José Aníbal disse que só se colocará candidato ao cargo caso Serra não se lance. Aníbal registra o pior desempenho entre os possíveis candidatos do partido, com 2% das intenções de votos, em 8º lugar.

CABOS ELEITORAIS

De acordo com a pesquisa, 19% dos entrevistados disseram que apoiarão com certeza 1 candidato indicado por Geraldo Alckmin. Outros 38% talvez votassem em uma sugestão do governador.

Só 17% dos paulistas seguiriam com certeza uma indicação de Lula. Outros 18% talvez votassem segundo a orientação do petista. A rejeição é muito maior: 63% do eleitorado paulista não votaria de jeito nenhum em 1 candidato indicado pelo ex-presidente.

VOTOS EM ABERTO

Na pesquisa espontânea, quando não é apresentada uma cartela de nomes, 65% dos paulistanos disseram que não sabem em quem votarão. Outros 20% declaram voto branco ou nulo.

Já na pesquisa estimulada, com opções de candidatos, os índices de votos brancos e nulos variam de 19% a 28%. Quando se isola o eleitorado mais velho, a taxa chega a 36%.

TODOS OS CENÁRIOS

Eis os 7 levantamentos realizados pelo Datafolha:

KASSAB E SERRA LIDERAM REJEIÇÃO

Ex-prefeitos da capital paulista, Kassab e Serra registraram as maiores rejeições do eleitorado, 41% e 40%, respectivamente. Entre os mais instruídos, a taxa sobe para 47% para Kassab e 51% para Serra. Entre os mais ricos, para 53% e 51%.

Com bom tempo de TV, o PSD de Kassab é visto por aliados como opção para ocupar a vice em eventual chapa encabeçada pelo tucano.

Também ex-prefeito da capital paulista, Fernando Haddad é rejeitado por 34%. Quando é avaliado por aqueles que ganham mais de 10 salários mínimos, sua rejeição cresce para 45%.

De acordo com o Datafolha, 28% dos eleitores paulistas não votariam de jeito nenhum em João Doria. Entre os moradores da cidade de São Paulo, que ele administra atualmente, a taxa salta para 37%.

Celso Russomanno tem uma recusa de 24% no Estado e de 30% na capital. Skaf tem 24% de rejeição, Marinho, 20%, Gabriel Chalita, 21%, Aníbal, 18% e França, 14%. Eis o quadro completo:

Poder360