João Pessoa 17/07/2018 17:13Hs

Início » Notícias » FHC reconhece que escândalos de Aécio podem abalar candidatura de Alckmin

FHC reconhece que escândalos de Aécio podem abalar candidatura de Alckmin

Participou de programa da TV Globo

FHC afirma que não é para os brasileiros desistirem do cenário atual da política, é preciso manter a expectativa

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), os escândalos envolvendo o senador Aécio Neves (PSDB-MG) podem abalar a candidatura à Presidência do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. Candidato tucano à Presidência em 2014, Aécio virou réu no STF (Supremo Tribunal Federal) este mês.

“Que abala, abala. Pode abalar. Se vai minar, vamos ver, dependendo da energia do maratonista [Alckmin] e da capacidade que ele tem de conseguir apoio”, disse em entrevista ao programa “Conversa com Bial” da TV Globo, exibida durante a madrugada desta 5ª feira (26.abr.2018).

Poder360 selecionou comentários do ex-presidente tucano sobre assuntos quentes do poder:

CRISE ECONÔMICA

Para FHC, não se pode perder a expectativa de melhora nas condições econômicas do país. Afirmou que muita coisa já foi feita para tirar o país da crise, mas ainda há muito que fazer.

Não resolvemos algumas questões: diferença social muito pronunciado, concentração de renda muito forte, pobreza, criminalidade e insegurança que vem junto disso aí e a estrutura institucional política tá dando sinais de cansaço e no meio disso, corrupção“.

LULA

Eu me senti muito mal quando Lula foi preso, com tristeza. Ninguém pode ficar feliz em ver o presidente da República preso. Fico pensando em como chegou a esse ponto, porque ele não foi preso porque teve um motivo político, mas porque foi acusado e os juízes julgaram que ele tem um envolvimento com corrupção. Isso para mim é uma coisa muito ruim para o Brasil (…) Não é um fato que devemos louvar, mas devemos entender que se você não acredita na Justiça, acabou a democracia“.

Sobre a liderança de Lula nas pesquisas, o tucano diz que é porque “ele tem efetivamente a capacidade de falar, convencer a população e porque fez coisas que beneficiaram as pessoas“.

CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA

Eu fico irritado com o tanto de gente se candidatando à Presidência. Quer ser presidente porque quer ser presidente? Que é isso! Para ser um presidente razoável tem que sentir o país e o povo, e o povo aqui é diverso. Tem que saber lidar com o Congresso […]. O governo tem as instituições e todas elas contam, tem que processar isso tudo e dar o rumo ao país: crescer a economia, diminuir a pobreza, garantir a democracia“.

Ao falar de Alckmin, disse que “tucano cacareja muito”, é preciso ter um desprendimento das suas estruturas para poder avançar: “a economia está começando a se organizar, mas não pode estar em ordem se o povo está mal, tem que ter emprego, decência e igualdade“.

Sobre Joaquim Barbosa, FHC disse que pode até ter poder de mobilização, mas não é possível avaliar agora se será um bom presidente, porque que não se sabe o que ele pensa.

POLÍTICA ATUAL

Não estamos em um beco sem saída, temos que voltar a acreditar. O brasileiro achar se o político é honesto ou não para votar nele é pouco, tem que saber também se é capaz de governar, se tem conhecimento da realidade do Brasil. […] E o político tem que saber que não move 200 milhões de pessoas apenas de maneira técnica“, disse o tucano.

Poder360