João Pessoa 23/06/2018 14:13Hs

Início » Notícias » Governo Temer vai acabar com um ministério de anônimos

Governo Temer vai acabar com um ministério de anônimos

Titulares que saem até abril articulam para deixar vaga aos seus secretários executivos

Blairo Maggi com o presidente Michel Temer – André Coelho / Agência O Globo

um ministério forte nos seus últimos dias de governo. O entorno de Temer trabalha com a realidade: os cerca de 12 ministros candidatos que deixam suas pastas em 7 de abril articulam para colocar na vaga prepostos que cuidem de seus interesses eleitorais, sem espaço para grandes estrelas.

A maioria quer deixar na cadeira seu número dois, os secretários executivos de confiança que, na prática, tocam os ministérios e, consequentemente, os arranjos e obras em andamento. Esse quadro, entretanto, pode sofrer uma guinada se Temer for mesmo convencido a buscar a reeleição. Aí usará a caneta para preencher os cargos de olho na sua foto na urna em outubro.

— Cada um dos ministros que sai sonha em deixar em seu lugar alguém que cuide de seus interesses na campanha, mas o propósito do Michel será que todos os novos ministros estejam preocupados com a defesa do governo. Os substitutos podem ser técnicos, mas têm que estar afinados com o programa e os interesses do governo. O presidente é quem terá o condão de administrar as indicações — diz um dos ministros políticos do Planalto.

Na Saúde, por exemplo, o governo voltou a sonhar com um nome estrelado e vai pedir ao PP, do atual ministro Ricardo Barros, para procurar alguém de renome na área. Mas o presidente do partido, o senador Ciro Nogueira (PI) já avisou que o futuro comandante da pasta deverá ser um nome técnico.

— Michel voltou à ideia inicial de ter uma estrela no Ministério da Saúde. Esse sonho não morreu e ele vai sugerir ao PP que procure alguém que se imponha pelo nome e pela responsabilidade — afirma um dos interlocutores de Temer.

— Isso é especulação. Michel não me pediu nada. O substituto será um técnico — avisa o pragmático Ciro Nogueira, enterrando o sonho de Temer.

A posição do presidente do PP mostra que a nova Esplanada, a partir de abril, será um amontado de técnicos de segundo escalão e políticos menores. No caso do ministério dos Esportes, o ministro Leonardo Picciani (PMDB-RJ) quer deixar em seu lugar o secretário executivo Fernando Avelino, ex-diretor do Detran do Rio de Janeiro e um quadro do PMDB fluminense.

— Ele é uma escolha técnica. Foi escolhido por mim para ser secretário executivo — confirmou Picciani ao GLOBO.

O futuro escolhido para ocupar a vaga do ministro Fernando Coelho Filho, na pasta de Minas e Energia, é aguardado com apreensão no mercado e entre os próprios servidores, que temem um nome de fora e torcem para que seja escolhido o número dois da pasta. O ministério toca uma das principais propostas da área econômica neste ano, a privatização da Eletrobras, e programa uma ampla reforma no setor elétrico. Além disso, tem em mãos os próximos leilões de petróleo e a possibilidade de fazer uma mega licitação: o potencial de arrecadação para os cofres da União chega a R$ 100 bilhões.

Nos bastidores, a corrida para substituir Fernando Coelho Filho já começou. Ele vai concorrer a uma vaga de deputado federal por Pernambuco, pelo PMDB, após deixar o PSB junto com seu pai, o senador Fernando Bezerra Coelho. O temor de agentes do setor elétrico é que a troca de ministro signifique uma guinada brusca nos rumos da pasta, que tem atuação elogiada pelo mercado.

A solução mais desejada pelo mercado e na própria pasta é colocar o atual secretário executivo, Paulo Pedrosa, como ministro. Esse arranjo poderia manter as atuais ações do ministério, já que Pedrosa é considerado uns dos fiadores técnicos de Minas e Energia. Por outro lado, outra corrente no governo acha que um político vai assumir o posto a partir de abril.

Devem deixar a Esplanada, até o fim de março ou início de abril — o prazo de desincompatibilização é 7 de abril — os ministros Marx Beltrão (Turismo), Leonardo Picciani (Esportes), Osmar Terra (Desenvolvimento Social), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia), Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores), Ricardo Barros (Saúde), Mendonça Filho (Educação), Helder Barbalho (Integração Nacional) Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicação), Raul Jungman (Defesa), Maurício Quintela (Transportes) e Sarney Filho (Meio Ambiente).

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ainda não decidiu se fica ou se sai para ser candidato a presidente da República. E o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que encerra seu mandato de senador em janeiro, decidiu continuar no ministério e não vai concorrer a reeleição para o Senado.

— Tenho muitas tarefas abertas. Ninguém é insubstituível, mas já sei o caminho das pedras. Outro ministro levaria alguns meses para encontrá-lo — disse Maggi. — Em mais nove meses teremos um outro ministro e mais uma descontinuidade. Acho que, permanecendo, eu ajudo o agronegócio brasileiro, mais do que tendo um novo mandato no Senado.

G1