João Pessoa 15/08/2018 03:16Hs

Início » Notícias » Membros da oposição e do governo avaliam críticas feitas por Picciani a Pezão, e previsão da queda de Dilma

Membros da oposição e do governo avaliam críticas feitas por Picciani a Pezão, e previsão da queda de Dilma

felixoO comentário feito pelo deputado Jorge Picciani (PMDB) sobre a queda da presidente Dilma Rousseff em três meses, e as críticas ao governador Luiz Fernando Pezão, também do PMDB, repercutiram entre os políticos do estado. Da base aliada à oposição, as opiniões seguiram a linha de Picciani. Washington Quaquá, presidente estadual do PT, atacou a companheira de partido.

— Não vi dolo ou mudança de postura do Picciani. Ele fez uma avaliação baseada na realidade. O movimento de golpe ganhou força porque há uma inoperância no governo federal, que parece um transatlântico sem comando — cravou o prefeito de Maricá.
O deputado estadual Luiz Paulo (PSDB) seguiu a linha de pensamento dos parlamentares de oposição aos governos estadual e federal. Para ele, Picciani começa a ter um discurso de alguém que não está mais no governo.

— Se a convenção do PMDB tornar o partido independente, isso o coloca como oposição. Isso muda o panorama do Congresso. Não tenho essa bola de cristal, mas o governo federal já está com prazo de validade vencido — opinou.

Para o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), as palavras de Picciani foram direcionadas para outro alvo:

— Se a Dilma cai ou não, não era essa a discussão. O eixo central era o Rio. Algo aconteceu para ele ir para um lado e o Pezão para outro. Que o governo é fraco, isso é fato.
A defesa veio do deputado federal Wadih Damous (PT), que criticou Picciani.

— Pensei que ele fosse deputado, e não astrólogo. Ele é um político experiente e integra um partido do governo. Deveria se eximir deste tipo de comentário neste momento.

Líder do PMDB na Alerj, o deputado Edson Albertassi não comentou o caso. Entre os integrantes da base do governo, Jandira Feghali (PCdoB), e Leonardo Picciani (PMDB) também evitaram posicionamentos. Mesmo contrário ao PT, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), não quis entrar na discussão.

Extra