João Pessoa 22/05/2018 23:25Hs

Início » Notícias » ‘MPF não pode ser medido pela régua imunda de Janot’, diz Renan Calheiros

‘MPF não pode ser medido pela régua imunda de Janot’, diz Renan Calheiros

‘Janot quer ser sentinela de Dodge’

Posse do Senador Eunicio de Oliveira como presidente do Senado Federal. Renan Calheiros. Brasilia, 01-02-2017. Foto:Sergio Lima/Poder 360

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) voltou a criticar o ex-PGR Rodrigo Janot

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) criticou a decisão do subprocurador da República Rodrigo Janot de concorrer à vaga no CSMPF (Conselho Superior do Ministério Público Federal).

Calheiros afirmou que Janot quer virar “sentinela” da atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ele ainda chamou de “régua imunda” a que mede o MPF pela atuação de Janot.

“O MPF, que na Constituinte e depois, como presidente do Senado Federal, ajudamos a tirar do papel, não pode ser medido pela régua imunda de Janot”, afirma em vídeo.

Calheiros também criticou a atuação de outros procuradores, que, segundo ele, foram pegos junto com Janot com “a mão na botija da JBS”. Janot foi fotografado ao lado do advogado Pierpaolo Bottini, um dos defensores do empresário Joesley Batista. A imagem registra os 2 em 1 bar de Brasília.

[Eles foram pegos] bebericando num boteco em Brasília. Essa criminosa traição. Enquanto perseguiam, prendiam, tentavam afastar, com provas ou sem provas, nivelando culpados com inocentes”, disse.

Calheiros se referiu, ao chamar de “doidivanas” (pessoas imprudentes), a Eduardo Pelella, o ex-chefe de gabinete e braço direito de Janot, e ao ex-procurador da República Marcello Miller.

Pelella foi citado pela PF (Polícia Federal) como conhecedor do “jogo duplo” de Miller na negociação de delação da JBS. Em mensagens enviadas a Esther Flesch –que era sócia da JBS–, enquanto ainda era procurador da República, Miller anunciou que poderia levar 1 grande cliente para o escritório. A JBS, na época, estava interessada em colaborar com a Justiça.

Além deles, o senador também criticou a atuação dos procuradores Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava Jato no Paraná, e Anselmo Lopes, coordenador da força-tarefa da Greenfield.

“BACAMARTE”

No vídeo, Calheiros comparou Janot a Simão Bacamarte, do livro “O Alienista”, de Machado de Assis. Bacamarte é o protagonista da história. Médico e estudioso da psiquiatria, ele constrói um manicômio para tratar pacientes. Com o decorrer da história, Bacamarte passa identificar a demência em cada cidadão e encarcera todos no hospício, considerando a si mesmo como o único cérebro bem organizado da cidade. O senador questiona se o ex-procurador da República é o “Bacamarte de hoje”.

Poder360