João Pessoa 24/04/2018 03:10Hs

Início » Notícias » Mulher mata amante do marido com tiro na cabeça

Mulher mata amante do marido com tiro na cabeça

Ana Vitória era amiga e funcionária de Adriana Leal, que matou a vítima após descobrir relação extraconjugal

Ana Vitória, de 19 anos, foi morta pela patroa e amiga por caso extraconjugal. – Reprodução/Facebook

Goiás – Adriana Alexina Leal, de 38 anos, se entregou à polícia na última segunda-feira na zona rural de Catalão, em Goiás, depois de matar sua funcionária e amiga Ana Vitória Pereira de 19 anos com um tiro na cabeça na tarde de sábado. A delegada Alessandra Castro, da Delegacia da Mulher de Catalão, afirma que a vítima mantinha uma relação extraconjugal com Frederico, o marido de Adriana.

A Polícia Civil informou que a mulher chegou ao bar, de propriedade dela e do marido, acompanhada da vítima, que era sua funcionária. Segundo testemunhas, foi ouvido um disparo na cozinha e Adriana saiu com um revólver cromado nas mãos. Frederico viu o corpo estendido no chão e disse que ela também iria matá-lo. Ela respondeu que não, porque ele ainda teria que cuidar do filho de dois anos do casal. Amedrontado, ele fugiu na garupa de uma moto e entrou em um matagal, segundo o boletim de ocorrência.

Em seguida, Adriana também fugiu em um carro, mas se entregou à polícia levando também a arma do marido, que não tinha autorização para tê-la. A delegada disse que o homem provavelmente será processado por porte ilegal de arma.

A autora do crime responde ao processo em liberdade. ” A lei diz que quando a pessoa se apresenta à delegacia, auxilia nas investigações e é ré primária, pode responder em liberdade, desde que não cometa outras irregularidades”.

A responsável pela investigação na Delegacia da Mulher diz que Adriana cometeu o crime de homicídio e que está aguardando os laudos produzido por peritos para avaliar se haverá qualificação, o que pode aumentar a pena de 6 a 20 anos de prisão para entre 12 e 30 anos. Se não cometer outro delito, Adriana só deverá ser presa depois de condenada.

O Dia