João Pessoa 23/05/2018 13:06Hs

Início » Notícias » ‘Não fiz acordo com ninguém. Plano está mantido’, diz Maia sobre Previdência

‘Não fiz acordo com ninguém. Plano está mantido’, diz Maia sobre Previdência

Amanhã Maia deve encontrar Temer Reunião será para contar votos

Presidente Michel Temer com o deputado Rodrigo Maia, após o café da manhã sobre a reforma da previdência. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, desmentiu nesta 4ª feira (13.dez.2017) que tenha havido 1 “acordão” para a declaração do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PDMB-RR), sobre a reforma da Previdência.

Nesta 4ª, Jucá disse que a votação do projeto deve ficar para fevereiro de 2018 e não mais para semana que vem, como pretendia o governo. O presidente da Câmara também disse que se reunirá com Michel Temer nesta 5ª, mas que, por ora, o plano de votar o projeto ainda neste ano está mantido.

“Não tem uma decisão. Mas amanhã o relator está preparado para ler o relatório para, independente da data da votação, na semana que vem ou em fevereiro, o parecer ser aprovado. Eu estou esperando o presidente voltar para entender se o governo tem os votos necessários para votar na próxima semana”, disse Maia.

O relator do projeto, Arthur Maia (PPS-BA), tentou minimizar a importância da fala de Jucá, dizendo que a declaração do líder representa a opinião do senador e não do governo. “Os senadores falarão a seu tempo, quando a PEC estiver no Senado. Por enquanto, está na Câmara. O processo de discussão será iniciando amanhã. Não vejo como uma mera declaração possa destruir isso”, disse.

A declaração de Jucá causou grande movimentação no meio político e provocou queda imediata na bolsa de valores. O senador afirma que o próprio ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, pediu a ele que fizesse o anúncio.

De forma desencontrada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, negou a fala logo depois, dizendo que o governo ainda tem a intenção de levar o projeto à votação na semana que vem.

A declaração de Jucá foi interpretada como 1 “jogo de cena”. O governo contabilizava 278 votos pró-reforma até esta 4ª, bem abaixo dos 308 necessários para a aprovação. Até o início da semana, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmava que votaria o Orçamento na próxima semana, a fim de contribuir para o quórum para a análise da reforma. Isso porque a votação da Orçamento é vista como 1 último ato do Congresso.

Na tarde desta 4ª, no entanto, Eunício anunciou que levaria o Orçamento para votação em plenário à noite. Isso desagradou ao governo.

Poder360