João Pessoa 19/06/2018 04:54Hs

Início » Notícias » OCDE rebaixa previsão de crescimento do Brasil

OCDE rebaixa previsão de crescimento do Brasil

Ocde rebaixa brasilA OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) rebaixou nesta terça-feira (25) a previsão de crescimento da economia brasileira de 1,8% para 0,3% neste ano. A estimativa está no relatório “OCDE Economic Outlook” divulgado na sede na entidade em Paris. A organização vê crescimento global em alta neste ano, se preocupação a situação da zona do euro que pode ser uma ameaça para o desempenho mundial.

 Para 2015, a previsão de crescimento do Brasil caiu de 2,2% para 1,5%. Segundo a OCDE, a economia do Brasil viverá dias melhores apenas 2016, quando a entidade prevê uma alta de 2%, do PIB. Apesar desse prognóstico de alta, a OCDE faz um alerta. “O crescimento vai continuar modesto por causa do aperto das políticas fiscais e monetárias, uma demanda externa frágil, baixos níveis de investimento e os gargalos de infraestrutura”.

Quanto à inflação, ela vai recuar “lentamente”, mas, em um primeiro momento, tende a subir “temporariamente” por causa da “alta dos preços administrados”.

Zona do Euro preocupa e Estados Unidos surpreendem positivamente

A análise da conjuntura econômica da zona do euro preocupa os analistas da OCDE. Segundo a organização, “a Zona do Euro se aproxima de um “ponto morto, o que representa um grande risco para o crescimento mundial”. Para este ano, a região deve crescer 0,8% e atingir 1,1% em 2015.

Em relação à França, a previsão foi mais uma vez revista para baixo. No ano que vem, o PIB do país deve atingir apenas 0,8%. No começo deste mês, a OCDE apostava em uma alta de 0,9% no ano que vem.

Outro problema para economia francesa é que a organização não vê, no horizonte, uma queda no desemprego antes de 2016. A taxa na França é da ordem de 10%, o dobro da registrada na Alemanha.

O crescimento mundial deve chegar a 3,3% neste ano e 3,7% em 2015, tendo como locomotiva os Estados Unidos. Neste ano, o PIB americano deve registrar uma expansão de 3,1%.