João Pessoa 27/05/2018 07:59Hs

Início » Notícias » Promotora diz que padrasto é suspeito no caso Rebeca; DNA de um PM foi coletado

Promotora diz que padrasto é suspeito no caso Rebeca; DNA de um PM foi coletado

Promotora Artemise Leal destaca que requisitou mais diligências investigatórias; Polícia Militar abriu nova sindicância; mãe chamou marido (padrasto de Rebeca) de "psicopata"

rebeca morta 1A promotora de Justiça do 1º Tribunal do Júri da Capital, Artemise Leal, revelou que o homem apontado pela Polícia Civil da Paraíba como suspeito de ser o mandante da morte da estudante Rebeca Cristina, 15 anos, em 2011, foi o padrasto. A revelação foi dada ao programa Correio Debate, 98 FM, durante entrevista exclusiva nesta sexta-feira (17). A mãe de Rebeca disse que o DNA de um policial militar foi coletado na quinta-feira (16), ou seja, seria um novo suspeito investigado no caso.

“Faltam elementos e provas que liguem ele [padrasto] ao executor. O suspeito nega o planejamento da morte da estudante. Não posso fazer a denúncia sem ligações contundentes da participação dele no assassinato da garota”, disse a promotora.

A promotora ressaltou que, quatro anos depois da morte da adolescente, a Polícia ainda não teve êxito em descobrir o executor do crime mesmo possuindo o perfil genético, através do exame de DNA. Artemise Leal destaca ainda que requisitou novas diligências investigatórias com o intuito de fortalecer os indícios de autoria em relação aos investigados no caso.

Nessa quinta (16), o suspeito de ser o mandante da morte da estudante foi ouvido pelo delegado Glauber Fontes, que investiga o crime. O depoimento do homem foi colhido na sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), na Capital, cumprindo mais diligências requisitadas pelo Ministério Público (MP). De acordo com a promotora o objetivo dessas diligências é trazer mais indícios do envolvimento dele no crime, depois que teve o pedido de prisão preventiva nega.

Padrasto fala e parabeniza a polícia

Ainda durante o Correio Debate, o padrasto de Rebeca Cristina, concedeu entrevista e disse que parabeniza a polícia pelo trabalho realizado, afirmando que dentro de oito dias o caso vai ter novidades.

“Não falo sobre a investigação. Aguarde oito dias e a gente conversa depois. Isso prova que a polícia está trabalhando e não está de braços cruzados. Recebo com muita alegria e satisfação o mandado de prisão contra mim. Eu sou inocente”, disse o padrasto.

Sindicância foi aberta e vai ouvir suspeitos citados no inquérito

Ainda durante o Correio Debate, o coronel da Polícia Militar, Lívio Delgado, confirmou que uma nova sindicância foi aberta na quinta-feira (16) para ouvir todos os suspeitos citados no processo.

“Foi aberta uma nova sindicância e temos 20 dias, prorrogáveis, para ouvir novamente todos os citados no inquérito. Temos que ter bastante responsabilidade e aguardar o desenrolar e o desfecho disso tudo. Vamos aguardar a chegada de novos fatos, ouvir, averiguar e apresentar a conclusão da nossa sindicância. Espero que esse caso seja desvendado para que o real suspeito seja apresentado à sociedade. Mas, da forma como a promotora falou tem que ter provas e conclusões. Para à Justiça o que vale são as conclusões e as provas”, falou o coronel Lívio.

Mãe de Rebeca pede medida protetiva e chama esposo de “psicopata”

Após conceder entrevista no Correio Debate, o coronel Lívio Delgado entrou em contato com a mãe de Rebeca Cristina. Segundo a repórter Mislene Santos, da 98 FM, que estava no local no momento da ligação, a mãe de Rebeca Cristina pediu proteção policial.

“A mãe de Rebeca recebeu a ligação do coronel Lívio Delgado, pediu proteção policial e que o seu esposo saísse de casa. Ela foi orientada pelo coronel a ir na Delegacia da Mulher e solicitar uma medida protetiva. Segundo coronel Lívio, o padrasto de Rebeca vai sair de casa e morar no 1º Batalhão da Polícia Militar, onde ele é lotado”, disse Mislene.

Após a ligação do coronel, a mãe de Rebeca confidenciou que tem a certeza da participação do esposo no crime.

“Ele é um psicopata. Ele não estuprou, mas tenho certeza que ele participou [do crime], porque Rebeca não iria entrar em um carro ou subir em uma moto de um desconhecido”, teria dito a mãe de Rebeca.

Portal Correio