João Pessoa 23/04/2018 19:08Hs

Início » Notícias » PSB é o partido que governará mais eleitores durante a campanha

PSB é o partido que governará mais eleitores durante a campanha

Partido quer filiar Joaquim Barbosa - PT vem em 2º e MDB em 3º lugar

Ex-presidente do STF Joaquim Barbosa decide nesta semana sobre filiação ao PSB

O ex-presidente do STF Joaquim Barbosa decidirá nesta semana sobre sua filiação ao PSB. Caso assine a ficha, estará num partido com 5 governadores e o maior número de eleitores “governados” durante a campanha eleitoral.

Embora o MDB tenha 6 Estados, o PSB ganha com folga em número de eleitores governados –por causa de São Paulo, que fica com o partido a partir da semana que vem. Eis a soma do eleitorado que cada partido governará de 7 de abril –data limite para os comandantes que concorrerão a outros cargos deixarem a cadeira– a outubro:

Apesar de o PSB não ter definido se terá 1 candidato à Presidência, já sai na frente dos concorrentes –seja na negociação de alianças, seja no apoio a uma chapa própria.

Quando uma sigla tem o comando de vários Estados, isso não significa que o candidato a presidente da mesma agremiação terá apoio incondicional na corrida pelo Planalto. Mas é sempre bom ter no radar essa eventual ajuda. Na disputas presidenciais brasileiras é mais ou menos como em estádios de futebol: a maioria das torcidas espera o time jogar bem para só depois começar a aplaudir e incentivar.

Neste momento, todos os pré-candidatos a presidente de partidos médios e grandes ainda não agradaram aos seus torcedores. Aí se encaixa Joaquim Barbosa. Ele estará possivelmente filiado ao PSB e terá seu nome testado nas pesquisas. Se em julho chegar aos 2 dígitos nos estudos de intenção de voto, poderá vestir o figurino do “novo” que vem sendo procurado pelos eleitores.

Tudo ainda é especulação, mas é nessas possibilidades que o PSB joga. Não há como antever a capacidade de Barbosa para articular uma presença mais forte na mídia e assim popularizar sua pré-candidatura. Se ele tiver êxito, certamente o PSB vai atrás e isso muda o cenário sucessório.

SITUAÇÃO ESTADO A ESTADO

Os Estados de maior peso eleitoral e governados pelo PSB serão São Paulo, Pernambuco e Distrito Federal. No caso do PT, o forte é Minas Gerais e Nordeste. No MDB, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (exceto o Rio, onde a sigla reina, mas não governa). O PSDB só terá governadores em 3 Estados durante a campanha –sendo que o maior eleitorado é o de Goiás.

Dos 26 governadores que já se sabe que estarão na cadeira em outubro –Tocantins teve o governador e a vice cassados e novas eleições ainda não foram realizadas– 19 já anunciaram que concorrerão à reeleição. Isso significa um empenho maior em auxiliar o candidato do partido na campanha presidencial para colher os benefícios da maior exposição da campanha.

Leia a lista completa de governadores (em negrito os que já anunciaram que concorrerão a 1 novo mandato):

MDB esfacelado
Sempre grande, o partido de Michel Temer comanda vários Estados. Mas é uma sigla esfacelada. Tem pouca tração eleitoral na joia da coroa, o Rio de Janeiro, governado por Luiz Fernando Pezão. A chance de o MDB influir nas sucessões estadual e presidencial no Rio é zero.

PT em risco
O partido de Lula tem 2 Estados relevantes nas mãos. Na Bahia, deve reeleger Rui Costa. Já em Minas Gerais, a entrada do tucano Antonio Anastasia coloca em perigo a chance de o petista Fernando Pimentel ficar mais 4 anos na cadeira.

Problema para Alckmin
Se Barbosa virar candidato a presidente pelo PSB, esse movimento atrapalha Geraldo Alckmin. O tucano deixa o governo paulista nas mãos de Márcio França, atual vice, que é do PSB.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Poder360