João Pessoa 26/05/2018 12:07Hs

Início » Notícias » Referendo na Grécia: Tsipras diz que ‘democracia supera o medo e extorsão’

Referendo na Grécia: Tsipras diz que ‘democracia supera o medo e extorsão’

Premier fez campanha para que população rejeite termos do acordo com credores, que exigem mais medidas de austeridade

primeiro ministri gregoO primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, vota no referendo sobre o acordo com credores – CHRISTIAN HARTMANN / REUTERS

ATENAS – O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, se mostrou confiante em uma vitória do “Não” no referendo que definirá os rumos da negociação do país com seus credores internacionais. No dia em que cerca de 10 milhões de gregos devem passar pelas urnas, o premier disse que o momento deve ser celebrado e lembrado como o dia em que “a democracia superou o medo e a extorsão”.

Tsipras falou logo após votar no distrito central de Atenas, Kypseli. Desde o anúncio da realização do referendo, ele e o ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, têm feito campanha para que os gregos rejeitem as propostas da chamada troika, formada pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI). Os credores exigem mais medidas de austeridade, como cortes nas pensões e aumentos de impostos, em troca de uma nova parcela do pacote de resgate.

— Muitas pessoas podem ignorar a vontade de um governo, mas ninguém pode ignorar a mensagem de um povo. Hoje é um dia de celebração, porque a democracia é uma celebração, é uma alegria. E quando a democracia supera o medo e a extorsão, se torna uma redenção e uma saída. O povo grego envia hoje uma mensagem muito forte. Uma mensagem de dignidade e determinação — disse Tsipras, conforme o jornal britânico “The Guardian”.

ENTRE O SIM E O NÃO

Cédula de votação em seção de Atenas – LOUISA GOULIAMAKI / AFP

O referendo deste domingo é o primeiro a ser realizado na Grécia em 41 anos. A última consulta popular do tipo ocorreu em 1974, quando o país optou pelo fim da monarquia, ao término da ditadura militar. A pergunta exata na cédula é:

“Deve ser aceito o plano de acordo apresentado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional no Eurogrupo de 25 de junho de 2015 e composto de duas partes, que integram a proposta conjunta? O primeiro documento tem como título Reforms for the completion of the Current Program and Beyond (Reformas para a realização do programa atual e além) e o segundo Preliminary Debt sustainability analysis (Análise Preliminar da Sustentabilidade da Dívida).”

Gregos votam em Atenas – Claudia Machado / Especial para O GLOBO

Embora a consulta seja especificamente sobre os termos do acordo, os defensores do “Sim” afirmam que a vitória do “Não” representaria a saída da zona do euro, o que pode trazer consequências como uma forte desvalorização cambial. O “Sim” tem o apoio dos partidos de oposição Nova Democracia (centro-direita), Pasok (centro-esquerda) e To Potami (centro).

O partido de esquerda governista Syriza, por outro lado, afirma que a vitória do “Não” permitirá que o país negocie em melhores condições, rompendo um ciclo de imposição de medidas de austeridade que já se estende há cinco anos. Essa foi a principal plataforma política responsável por levar Tsipras ao poder no início do ano, apoiado pelo partido de direita, a favor da soberania, ANEL.