João Pessoa 20/05/2018 23:37Hs

Início » Notícias » Reforma da Previdência esfria e votação na Câmara ainda é incerta

Reforma da Previdência esfria e votação na Câmara ainda é incerta

Governo queria votar proposta em 6 de dezembro - Presidente da Câmara demonstra pessimismo - Última esperança é votar na 2ª semana do mês

O Presidente Michel Temer acompanhado pelos ministros Henrique Meireles e Eliseu Padilha, apresentam as linhas principais da reforma da Previdência Social a lideranças sindicais, no Palácio do Planalto. Brasília, 05-06-2016. Foto: Sérgio Lima/Poder 360.

A semana foi ruim para o governo de Michel Temer em relação à sua principal proposta: a reforma no sistema de aposentadorias. A expectativa era angariar os apoios que faltavam para atingir a marca de 308 votos e pautar a votação do projeto no plenário da Câmara na próxima 4ª feira (6.dez.2017). Mas a contagem avançou pouco.

Em jantar do Poder360-ideias, na semana passada, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) havia dito que, em uma escala de 0 a 10, o governo estava em 8 para conseguir os votos necessários na Câmara. Mas aliados na Câmara encerraram a semana assumindo que ainda faltam votos e projetando a votação na Casa para a 2ª semana de dezembro. O projeto precisa ser aprovado em 2 turnos para ser enviado ao Senado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi 1 dos mais incisivos na constatação de que ainda não há condições de aprovar a proposta. Repetiu ao longo da semana que o governo ainda não tem os 308 votos. Chegou a sugerir que o ideal seria votar o projeto depois do Carnaval, em fevereiro de 2018.

A avaliação de governistas é de que ficará ainda mais difícil aprovar o projeto no ano que vem, quando deputados estarão ainda mais preocupados com as eleições. O Planalto já diz que se a Câmara votar a emenda constitucional em 1º turno, estará excelente.

FRENTES DE ATAQUE

Para evitar que o atraso, o governo intensificará os esforços nos próximos dias. Cancelou a viagem de ministros ao exterior e organiza 1 jantar na residência do presidente da Câmara no domingo (3.dez). Quer reunir líderes partidários para tentar angariar os votos de deputados de siglas aliadas que ainda resistem aos apelos pelo projeto.

Além de líderes na Câmara e ministros, estarão presentes presidentes dos principais partidos aliados (DEM, PP, PMDB, PSD, PR, PSC, PTB e Solidariedade). O anfitrião, Rodrigo Maia, e o presidente do Senado, Eunício Oliveira, também ajudarão na articulação. Eis a lista de convidados.

Em outra frente, o governo liberou R$ 2 bilhões a prefeitos para que os municípios paguem o 13º salário de seus servidores e possam fechar suas contas neste fim de ano. O Planalto espera que os mandatários municipais atuem junto aos deputados para convencê-los a votar pela proposta.

Por fim, o governo tenta diminuir a rejeição ao texto junto à população. Lançou no último mês uma campanha publicitária com o mote de que o objetivo principal da reforma é combater privilégios de servidores públicos. Nesta semana, Michel Temer sancionou projetos de lei que liberarão mais R$ 100 milhões para a propaganda estatal. O dinheiro deve ser usado para promover a reforma junto à população.

SINDICALISTAS COMEMORAM

Centrais sindicais festejaram o fracasso do governo em colocar a proposta em votação na semana que vem. Cancelaram as paralisações marcadas para 4ª feira (6.dez), quando se esperava que o texto fosse votado na Câmara. Mas já deixaram pré-convocadas manifestações caso a votação seja marcada para a 2ª semana de dezembro.

CUT festeja atraso na votação da reforma da Previdência

Poder360