João Pessoa 21/06/2018 10:10Hs

Início » Notícias » Reforma política aprovada pela Câmara dificulta fiscalização de doações.

Reforma política aprovada pela Câmara dificulta fiscalização de doações.

Em vez de aprimorar financiamento de campanhas, projeto da Câmara limita ação do TSE.

Câmara prova regras da reforma políticaPasso atrás: Sessão da Câmara que aprovou novas regras para o financiamento de campanhas tem, na visão de integrantes do TSE, novos obstáculos para a fiscalização

BRASÍLIA — Aprovado na última quinta-feira, o texto base do projeto que regulamenta a reforma política tira poder de fiscalização da Justiça Eleitoral sobre as campanhas políticas. Na avaliação de integrantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o texto encurta o prazo para investigar empresas ou pessoas que tenham doado a candidatos e partidos acima do limite estabelecido em lei, o que poderia inviabilizar a apuração de irregularidades. Ainda reduz o valor das multas por descumprimento de regras de financiamento das campanhas e acaba com a possibilidade de suspender cotas do Fundo Partidário em caso de desaprovação das contas partidárias, principal sanção aplicada hoje pelo tribunal.

De acordo com o texto aprovado, que ainda poderá sofrer modificações na próxima semana, a desaprovação de contas dos partidos terá como sanção “exclusivamente” a devolução do montante considerado irregular, acrescido de multa de 20%. Em abril deste ano, o TSE julgou contas do PT de 2009 e aplicou como sanção a devolução de R$ 4,9 milhões, além da suspensão de três cotas do fundo partidário. A última cota de fundo do PT, em junho, foi de R$ 9 milhões. Pelo texto aprovado, além de acabar com a suspensão das cotas, a multa ainda poderá ser abatida do fundo partidário.

— Se não tem a penalidade, se não dói no bolso, fica difícil coibir a irregularidade — disse ao GLOBO um integrante do TSE.

Outra preocupação de integrantes do TSE é em relação às doações acima do teto. Pelo projeto de lei aprovado na quinta-feira na Câmara, o tribunal considera que fica praticamente inviabilizada a abertura de processos contra empresas e pessoas físicas que doarem acima do limite estabelecido por lei. Hoje, o Ministério Público tem até o dia 19 de junho do ano seguinte à eleição para fazer denúncias. Pela nova regra, esse prazo seria reduzido em seis meses. Passaria a ser 19 de dezembro do ano da eleição — menos de um mês após as prestações de contas do segundo turno serem entregues.

NOVA REGRA DIFICULTA COIBIR ABUSOS

Para integrantes da Corte, o processo é complexo e não pode ser concluído até 19 de dezembro, já que o TSE tem de agrupar informações sobre doações, repassá-las à Receita Federal, que faz o cruzamento de dados com a declaração da pessoa jurídica à Receita, apresenta o resultado ao TSE, que o encaminha ao Ministério Público.

— Isso impede o TSE de coibir o abuso de poder econômico — afirmou o integrante do TSE.

Hoje, a lei prevê multas de 5 a 10 vezes dos valores que extrapolem o limite estabelecido de gastos ou de doação de campanhas. O projeto aprovado restringe a multa a apenas 2 vezes o valor excedido. A redação do texto aprovado deixa margem para dúvidas sobre a possibilidade de arrecadação de doações em espécie. Em 2006, um ano após o escândalo do mensalão, o TSE proibiu esse tipo de doação para evitar o caixa dois.

Na análise de integrantes do TSE, a nova regra que cria a prestação de contas simplificada é interessante e o próprio tribunal defende a norma em caso de campanhas com gastos até R$ 20 mil e desde que candidato não tenha sido eleito. Mas, no texto do relator Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi acrescentado um outro parâmetro considerado bastante questionável: a prestação de contas de prefeitos e vereadores de cidades com menos de 50 mil eleitores será sempre simplificada. No Brasil, segundo o TSE, 92% dos municípios têm menos de 50 mil eleitores.

A ideia original dos parlamentares previa adoção, pela Justiça Eleitoral, do sistema simplificado de contas para candidatos com baixa arrecadação e pequeno volume de gastos — independentemente do cargo em disputa. A inclusão das prestações de contas de prefeitos de cidades de até 50 mil habitantes foi feita à mão, nas negociações de plenário.

A redação do texto aprovado deixa ainda margem para dúvidas sobre a possibilidade de arrecadação de doações em espécie, por mencionar doações “em dinheiro”. Segundo Rodrigo Maia, no entanto, sua intenção não foi de deixar brechas.

— O texto foi redigido pela minha assessoria jurídica. Não foi nossa intenção abrir essa possibilidade. Acho que isso não pode ficar aberto de jeito nenhum. Se há a hipótese dessa brecha, até terça vamos reorganizar com uma emenda de redação — afirmou.

Até as últimas eleições, os candidatos tinham de apresentar duas prestações parciais de contas, que só obrigava a revelar as receitas e as despesas de campanha. Pelo texto aprovado, foi mantida apenas uma das duas prestações de contas parciais. Ela seria feita no dia 15 de setembro — a menos de três semanas da eleição. Em troca, foi incluída uma regra positiva de transparência, que obriga o candidato e os partidos a declararem todas doações até 72 horas após sua arrecadação, mas os gastos seguem ocultos. Para integrantes do TSE isso dificultará o acompanhamento e a evolução do volume de gastos das campanhas.

O relator Rodrigo Maia reclama da falta de diálogo com o TSE antes da elaboração do projeto. Mas, afirma que está aberto para ouvir sugestões até que seja finalizada a votação das emendas, prevista para a próxima terça-feira.

— O tribunal tinha que parar de legislar e dialogar mais com o Congresso. O tribunal existe para se adequar à lei, não é a lei que tem de se adequar ao tribunal. Infelizmente, a Justiça tem legislado muito. Se eles nos convencerem em tempo hábil que há incompatibilidade, não tenho problema nenhum em ouvi-los.

TEMORES NO TSE

Controle de abuso do poder econômico: O projeto de lei aprovado na Câmara praticamente inviabiliza processos contra empresas e pessoas físicas que ultrapassarem o limite de doações para campanhas eleitorais. Hoje, o Ministério Público tem até o dia 19 de junho do ano seguinte à eleição para denunciar. Pela nova regra, esse prazo é reduzido em seis meses. Passa a ser 19 de dezembro do ano da eleição, menos de um mês após as prestações de contas do segundo turno.

Prestação de contas parcial: O texto eliminou uma das duas prestações de contas parciais previstas hoje.

Redução das multas: A lei atual prevê multas de 5 a 10 vezes dos valores que extrapolem o limite de gastos ou de doação. O projeto aprovado restringe a multa a apenas 2 vezes o valor excedido.

Doação em dinheiro: O texto aprovado deixa dúvidas sobre a arrecadação em espécie. Em 2006, após o mensalão, o TSE proibiu para evitar caixa dois.

O Globo