João Pessoa 19/08/2018 00:25Hs

Início » Notícias » Senado aprova penas mais duras para estupro coletivo

Senado aprova penas mais duras para estupro coletivo

Pena máxima pode chegar a 25 anos de prisão; projeto ainda precisa ser analisado pela Câmara dos Deputados

renan estupro,O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL)

BRASÍLIA – Em meio à repercussão do caso do estupro coletivo sofrido por uma adolescente de 16 anos no Rio, o Senado aprovou nesta terça-feira, por unanimidade e em prazo recorde, um projeto de lei que altera o Código Penal para aumentar a pena para o crime de estupro praticado por duas pessoas ou mais. A proposta, além de agravar a punição, tipifica o crime de estupro coletivo que, atualmente, não é previsto na legislação. O projeto aprovado, que ainda precisará ser analisado pela Câmara dos Deputados, pode ampliar em dois terços a pena máxima para casos em que a vítima tem menos de 14 anos. Hoje, ela chega a 15 anos de reclusão. Com a proposta, poderá ser de até 25 anos de cadeia. O projeto ainda precisa ser analisado pela Câmara dos Deputados.

A relatora Simone Tebet incluiu duas emendas ao projeto de Vanessa Grazziotin. A primeira prevê que a pena para o crime de estupro coletivo deve ser aumentada em um patamar mínimo de um terço, como sugerido no Projeto, e em um máximo de dois terços, de acordo com entendimento dos juízes, dependendo do número de sujeitos ativos envolvidos e das circunstâncias particulares de cada crime.

A outra emenda aprovada estipula pena de reclusão de dois a cinco anos para quem oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer meio, inclusive por meio de sistema de informática ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de estupro.

– No caso da menina estuprada por trinta homens, há outro elemento que causa choque e repulsa. O crime foi filmado e compartilhado nas redes sociais por milhares de vezes. Imagens que permanecerão por tempo indefinido sob domínio público. A exposição social da vítima viola sua dignidade, provoca dor e revitimização, além dos mais perversos julgamentos morais baseados em preconceitos de gênero – discursou a relatora Simone Tebet.

O projeto aprovado pelo Senado foi apresentado pela senadora Simone Tebet em 2015, em reação a um estupro coletivo que ocorreu em maio, no Piauí, com a morte de uma das vítimas. O crime foi cometido contra quatro adolescentes.

– Esse tipo de crime causa extrema repugnância, uma vez que, além da violência física praticada, a própria dignidade da mulher é atingida, causando, na maior parte das vezes, traumas irreversíveis. Não se pode mais tolerar tamanha brutalidade – justificou Vanessa Grazziotin.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) fez um apelo para que a matéria seja votada na Câmara com a mesma agilidade com que foi votada no Senado.

– A aprovação desse projeto hoje representa uma importantíssima resposta do Senado a esse fato que chocou o Brasil e o Mundo inteiro. Faço um apelo para que a Câmara possa também dar essa resposta ao Brasil – pediu Renan.

O Globo