João Pessoa 21/05/2018 20:55Hs

Início » Notícias » Serial killer: começa o julgamento do homem acusado de 35 assassinatos

Serial killer: começa o julgamento do homem acusado de 35 assassinatos

Tiago é julgado nesta terça-feira (16) pela morte de uma adolescente de 15 anos. Na última sexta-feira (12), ele enviou uma carta ao juiz pedindo compreensão pelos crimes cometidos. No texto, ele afirma que queria a chance de voltar à infância e recomeçar sua vida

Começou na manhã desta terça-feira (16/2) o primeiro júri popular do suposto serial killer de Goiânia, o vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, 27 anos. Ele é acusado de matar com um tiro no peito a adolescente Ana Karla Lemes da Silva, morta aos 15 anos, na na capital goiana, em 15 de dezembro de 2013.

O réu ficou conhecido em todo o país após ser autor de uma série de crimes na Região Metropolitana de Goiânia. Ao todo, ele é acusado de matar 35 pessoas, a maioria, mulheres. Tiago está preso desde 14 de outubro de 2014. Ele confessou alguns crimes, mas negou outros.

O julgamento acontece no auditório do 2º Tribunal do Júri, no Setor Oeste, em Goiânia. Duas testemunhas de acusação devem ser ouvidas: a mãe da vítima e um vizinho. Não há testemunhas de defesa arroladas. O júri é composto por sete integrantes.

O vizinho da vítima que seria ouvido como testemunha de acusação foi dispensado. Ele não estava presente no 2º Tribunal do Júri, em Goiânia.

Os advogados de defesa de Tiago Henrique, Michel Pinheiro Ximango e Wanderson Santos de Oliveira, assumiram o caso na última quinta-feira (11). Apesar do pouco tempo, eles afirmaram que elaboraram uma defesa consistente. “Tiago vai praticar a confissão espontânea”, disse Ximango.

Apelo em cartas

Na última sexta-feira (12), Tiago enviou uma carta ao juiz pedindo compreensão pelos crimes cometidos. No texto, ele afirma que queria a chance de voltar à infância e recomeçar sua vida. O documento já foi juntado aos autos do processo e deve ser apresentado durante o julgamento.Esta é a segunda carta do acusado que é juntada ao processo. A primeira foi em maio do ano passado, quando ele também afirmou estar arrependido dos crimes cometidos e pediu perdão às famílias das vítimas.

Correio Braziliense