João Pessoa 16/08/2018 10:02Hs

Início » Notícias » Suspeito de matar Jo Cox grita ‘morte aos traidores’ ao chegar a tribunal

Suspeito de matar Jo Cox grita ‘morte aos traidores’ ao chegar a tribunal

Parlamentar britânica foi assassinada na quinta-feira passada. Thomas Mair é investigado por manter vínculos com extrema direita

polícia inglesaVeículo da polícia sai de tribunal de Londres neste sábado (18) transportando Thomas Mair, suspeito de matar a parlamentar Jo Cox (Foto: Reuters/Neil Hall)

O suspeito de matar a palamentar britânica Jo Cox, Thomas Mair, compareceu neste sábado (18) a um tribunal de Londres, onde gritou: “Morte aos traidores, liberdade para o Reino Unido”, segundo a agência EFE.

O acusado, de 52 anos, deu essa declaração ao confirmar sua identidade perante a Corte de Magistrados de Westminster, no centro da capital britânica, onde está sendo julgado.

De acordo com o jornal britânico “The Guardian”, unidades especiais da polícia que fizeram buscas na casa de Mair encontraram aparatos nazistas, além de livros de extrema direita.

Ainda segundo a publicação, Mair comprava livros de um grupo neonazista com base nosEstados Unidos, incluindo guias de como fazer armas e explosivos em casa. Segundo a agência Reuters, uma organização de direitos civis dos Estados Unidos afirma que Mair esteve associado, no passado, a uma organização neonazista.

Assassinato de Jo Cox
Na quinta-feira (16), a deputada britânica, de 41 anos, mãe de dois filhos, foi atacada a tiros em Birstall, no norte da Inglaterra, e morreu em decorrência dos ferimentos pouco depois, em um hospital de Leeds.

Cox era partidária da permanência do Reino Unido na União Europeia, o que será votado em referendo no próxima dia 23. Segundo vários meios de comunicação, seu agressor gritou “Reino Unido primeiro!”, um lema da ultradireita britânica.

Vigília é realizada nesta sexta-feira (17) na praça do Parlamento em Londres em homenagem à parlamentar britânica Jo Cox, morta nesta quinta-feira em Birstall, na Inglaterra (Foto: REUTERS/Dylan Martinez)

Vigília é realizada nesta sexta-feira (17) na praça do Parlamento em Londres em homenagem à parlamentar britânica Jo Cox, morta nesta quinta-feira em Birstall, na Inglaterra (Foto: REUTERS/Dylan Martinez)

Thomas Mair é investigado por manter vínculos com a extrema direita. Além disso, há suspeitas de que ele tenha problemas mentais.

Após o assassinato, as campanhas para o referendo sofreram uma brusca mudança. O fato provocou a suspensão, por parte dos dois lados, de todos os eventos das campanhas em toda a região por respeito à deputada.

Cameron se pronuncia sobre referendo
Em entrevista divulgada neste sábado pelo jornal “The Times”, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, afirmou que continuará à frente do governo independentemente do resultado do referendo do dia 23.

Cameron diz que se sente “responsável” pela consulta, pois o político prometeu convocar o referendo caso ganhasse com maioria as eleições gerais de 2015.

Cameron acusou partidários da saída do Reino Unido da UE de mentir (Foto: Facundo Arrizabalaga/Reuters)

Cameron acusou partidários da saída do Reino Unido da UE de mentir (Foto: Facundo Arrizabalaga/Reuters)

O líder conservador também considera que ele seria a pessoa mais adequada para liderar as negociações que seriam desencadeadas por uma hipotética vitória do “Brexit” – como tem sido chamada uma possível saída do Reino Unido da UE – graças a suas “sólidas relações” na Europa.

Para o premiê, o resultado do referendo “não será um veredicto” sobre a sua atuação como político, mas apenas sobre a continuidade britânica na UE. “Eu simplesmente vou seguir com meu trabalho. Tenho um mandato muito claro dado pelo povo britânico para servir como primeiro-ministro em um governo conservador, realizando o referendo”.

Cameron reconheceu que nem todos os seus colegas compartilham de seu ponto de vista, em particular o ministro da Justiça e amigo pessoal do primeiro-ministro, Michael Gove, um dos maiores apoiadores do “Brexit”.

Participação na União Europeia
Fazem parte do Reino Unido quatro países: Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales. A palavra “Brexit” é formada pela união de “Grã-Bretanha” (ilha onde ficam Inglaterra, Escócia e País de Gales) e “exit”, que significa saída em inglês. O que está em questão, no entanto, é a saída de todo o Reino Unido do bloco, não apenas a Grã-Bretanha.

G1.Globo