João Pessoa 20/06/2018 20:58Hs

Início » Notícias » Suspeitos de assassinato em hospital psiquiátrico na PB são detidos, diz polícia

Suspeitos de assassinato em hospital psiquiátrico na PB são detidos, diz polícia

Dois suspeitos foram levados para o Instituto de Psiquiatria Penal.

Polícia Civil foi até o Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira para apurar morte de comerciante, em João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Dois homens foram identificados como coautores da morte do comerciante Jonathan do Vale Ribeiro, 24 anos. A informação foi confirmada à produção da TV Cabo Branco pelo delegado de Homicídios Reinaldo Nóbrega, nesta quinta-feira (14). O assassinato aconteceu dentro do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa, no dia 9 de dezembro.

Segundo o delegado, os suspeitos têm 20 e 21 anos. A internação provisória dos dois já foi aceito pela Justiça e ambos foram levados para o Instituto de Psiquiatria Penal. Nóbrega não passou mais detalhes do caso.

O delegado já havia informado que descartava a possibilidade de morte natural, após a Gerência de Medicina e Odontologia Legal (Gemol) constatar que a vítima tinha marcas no pescoço e apontar asfixia e estrangulamento como a causa da morte.

Jonathan Ribeiro deu entrada no complexo em 5 de dezembro, quatro dias antes de ser achado morto. O diretor do hospital, Walter Freire, disse à TV Cabo Branco que os enfermeiros do Juliano Moreira estranharam o fato do paciente demorar a acordar na manhã do sábado e, quando foram até o quarto, ele estava morto. Freire ainda contou que esse foi um “fato inédito”, a primeira vez que uma morte acontece em sua gestão.

Polícia identifica dois acusados de matar empresário em hospital psiquiátrico

A família informou que foi visitar Jonathan no dia 8 de dezembro, três dias após sua internação, mas não foram permitidos de entrar pois ele ainda estava muito agitado.

Freire ainda informou que na sexta à noite procurou saber sobre o estado do paciente e o disseram que ele estava calmo. O Complexo Psiquiátrico abriu uma sindicância interna para apurar o ocorrido.

G1-PB