João Pessoa 16/08/2018 06:08Hs

Início » Notícias » Suspensão do Empreender gera tensão na AL; Bruno lembra Aije e Hervázio rebate: ‘quer dar o golpe’

Suspensão do Empreender gera tensão na AL; Bruno lembra Aije e Hervázio rebate: ‘quer dar o golpe’

O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB) determinou, nesta quarta-feira (8), a proibição do Governo do Estado de conceder empréstimos através do programa Empreender PB e os líderes da oposição e situação trocaram acusações quanto à decisão.

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, Bruno Cunha Lima (PSDB) achou acertada a decisão, pedindo inclusive celeridade na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) do programa. Já o líder do governo, Hervázio Bezerra (PSDB), não recebeu bem os comentários e declarou que se fosse por Bruno não teria nem julgamento, mas um golpe no governador Ricardo Coutinho (PSB) assim como foi articulado pelo PSDB contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

A decisão foi tomada pelo conselheiro Fernando Rodrigues Catão por conta de inconformidades no programa apontadas pelo Ministério Público e estabelece que a gestora do programa, Amanda Araújo Rodrigues, não pode mais dar continuidade procedimentos administrativos voltados à concessão de empréstimos por meio do Programa Empreender PB, abarcando todas as linhas e tipos de financiamentos (pessoa física e jurídica).

“Vejo com bons olhos que esses órgãos controladores devem uma explicação à Paraíba a respeito da apuração dos fatos envolvendo o Empreender. O estado inteiro é sabedor desde 2014 das irregularidades cometidas dentro do micro-processo eleitoral que interferiram no processo e até hoje não teve nenhuma manifestação por parte desses órgãos”, acusou.

Hervázio não poupou as farpas ao rebater Bruno afirmando que se dependesse do deputado não haveria nem julgamento. “Queria logo o golpe e a cassação do governador assim como o partido foi um dos mentores, atores e articuladores do golpe contra a ex-presidente Dilma. É lamentável, sou daquele que entende que eleição se ganha no voto”, disse.

Marília Domingues/ Fernando Braz