João Pessoa 26/05/2018 02:05Hs

Início » Notícias » Terremoto: “Metade da cidade desapareceu”, diz prefeito de vilarejo na Itália

Terremoto: “Metade da cidade desapareceu”, diz prefeito de vilarejo na Itália

cidade terremoto 1Equipes de resgate procuram sobreviventes em Amatrice, cidade que foi completamente destruída pelo terremoto desta quarta-feira na Itália.REUTERS/Emiliano Grillotti

Um violento terremoto de 6,2 graus de magnitude atingiu na madrugada desta quarta-feira (24) a região central da Itália. Segundo o último balanço, pelo menos 120 pessoas morreram. O papa Francisco pediu no Instagram orações pelas vítimas da tragédia. Sob forte emoção, o prefeito de Amatrice disse que a prioridade é salvar sobreviventes sob os destroços.

 As equipes de resgate têm dificuldade para chegar aos vilarejos atingidos, que ficam numa região montanhosa. A maioria dos mortos, foi registrada até agora nas cidades de Accumoli, Pescara del Tronto e Amatrice, uma das mais afetadas. Dezenas de pessoas estão desaparecidas. Ao menos três vilarejos foram destruídos.

Sergio Pirozzi, prefeito de Amatrice, 40 km de Nórcia, disse à rede SkyTG24 que o povoado foi destruído e que há pessoas sob os escombros. As estradas de acesso à Amatrice, localidade de 2,6 mil habitantes, estão bloqueadas. “Em uma das estradas há um deslizamento de terra e na outra caiu uma ponte”, revelou Pirozzi.

Muito emocionado, o prefeito de Amatrice disse que “metade da cidade desapareceu”, e que “há pessoas debaixo dos escombros”. Ainda segundo ele, os helicópteros estão chegando para trazer ajuda, mas ainda “é preciso abrir estradas de acesso”. Os desmoronamentos continuam e o socorro só vai poder chegar quando abrirmos os acessos à cidade. Os feridos estão sendo levados ao centro esportivo de Amatrice. A prioridade das equipes de resgate que trabalham no local é salvar as pessoas que ainda se encontram sob os destroços.

Um casal de idosos morreu no desabamento de sua casa em Pescara del Tronto, cidade próxima ao epicentro, informaram os Carabineiros. O prefeito de Accumoli, outra localidade próxima ao epicentro, relatou um óbito na cidade, que ficou parcialmente destruída.

Citado pela agência italiana AGI, o prefeito Stefano Petrucci disse que em Accumoli há ao menos quatro pessoas presas sob os escombros. “É uma tragédia, temos mortos e prédios destruídos.”

A extensão da tragédia

O serviço geológico dos Estados Unidos (USGS) confirmou que o tremor que castigou o centro da Itália teve 6,2 graus de magnitude, com epicentro situado 10 km a sudeste de Nórcia, cidade da região de Úmbria, na província de Perúgia, cerca de 150 km de Roma.

O abalo ocorreu às 3h30 local (22h30 Brasília), surpreendendo a população enquanto dormia e foi sentido até na capital Roma. Entrevistado pelo canal de TV Rainews24, o chefe da Defesa Civil, Fabrizio Curcio, falou em um “terremoto severo”, que deixou “feridos e vários prédios destruídos”.

Durante seu discurso semanal no Vaticano, o Papa Francisco disse que está muito “abalado”, e pediu no Instagram orações pelas vítimas da tragédia. Ele fez questão de externar “sua dor e solidariedade a todas as pessoas que estão nos locais atingidos”. O papa decidiu ainda enviar os bombeiros do Vaticano aos vilarejos atingidos pela tragédia.

A chanceler alemã, Angela Merkel, em viagem oficial à Estônia, afirmou que seu país está pronto para fornecer toda a assistência necessária aos italianos. Já o presidente da França, François Hollande, expressou a solidariedade do povo francês diretamente ao primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi.

“Forte tremor”

Amatrice é um povoado de montanha muito popular entre os romanos que desejam escapar do calor nos finais de semana de agosto. Um morador de Arquate, citado pela RaiNews, revelou que vários prédios ficaram destruídos na localidade, a 25 km de Nórcia, mas não citou feridos. “Os moradores estão na praça central e muitos prédios desabaram”.

Um habitante da região de Rieti declarou à RaiNews 24 que a população abandonou suas casas no meio da madrugada após um “forte tremor”.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, informou no Twitter que está em contato com a Defesa Civil para avaliar o alcance do terremoto.

Vários tremores secundários foram sentidos durante a madrugada desta quarta-feira, inclusive um de 3,9 graus na província de Perúgia, e outro mais forte, percebido em Roma, por volta das 4h30 local (23h30). O potencial de destruição do terremoto, que foi de 6,2 graus, pode ser comparado ao sismo que devastou a cidade de Aquila em abril de 2009, e deixou na época 309 mortos.

Noticiário Internacional