João Pessoa 20/08/2018 02:52Hs

Início » Notícias » Tribunal nega pedido de liberdade provisória dos irmãos Batista

Tribunal nega pedido de liberdade provisória dos irmãos Batista

Ministro do STJ entendeu que se forem soltos, os irmão Batista podem atrapalhar as investigações; eles respondem pelo crime de insider trading

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Rogério Schietti Cruz, negou nesta terça-feira (31) o pedido de liberdade feito pela defesa dos irmãos Joesley e Wesley Batista , donos da J&F. Os dois estão presos preventivamente por uma decisão da Justiça Federal em São Paulo.

No processo, os  Batista respondem pelo crime de insider trading (informação privilegiada), sob a suspeita de usarem informações obtidas por meio de seus acordos de delação premiada para venderem e comprarem ações da JBS.

Na decisão, o ministro entendeu que a prisão preventiva dos acusados é necessária para assegurar o prosseguimento das investigações. Segundo Schietti, mesmo assinando o acordo de delação premiada, Joesley e Wesley continuaram a práticas atividades ilícitas.

Primeiros a serem presos pelo crime de insider trading na história do País, os irmãos Batista estão detidos na carceragem da Polícia Federal na capital paulista e já tiveram o pedido de liberdade rejeitado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3).

Além do processo sobre a venda das ações, Joesley tem outro mandado de prisão expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em setembro, a prisão por tempo indeterminado foi requerida pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após a anulação da imunidade penal que foi concedida por ele.

O procurador concluiu que Joesley omitiu informações da Procuradoria-Geral da República (PGR) durante o processo de assinatura do acordo de delação premiada.

Multa milionária

Nesta segunda-feira (30), a defesa do empresário Joesley Batista e do ex-executivo Ricardo Saud  pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão das cláusulas do acordo de delação premiada que determinaram prazo para apresentarem novas provas e o pagamento de multa pelos crimes confessados.

De acordo com os advogados, Joesley Batista e Saud não podem apresentar novas provas em até 120 dias ou fazer o pagamento em função da decretação da prisão preventiva pelo ministro Edson Fachin , relator do caso.

Os bens de toda a família Batista foram bloqueados , mas a decisão ainda  está sendo contestada pela defesa dos empresários .

*com informações da Agência Brasil