João Pessoa 26/05/2018 09:38Hs

Início » Paraíba » Bares do Jacaré deixam de funcionar, mas ‘Bolero de Ravel’ ao pôr do sol deve continuar

Bares do Jacaré deixam de funcionar, mas ‘Bolero de Ravel’ ao pôr do sol deve continuar

Acordo judicial reconheceu a irregularidade dos estabelecimentos instalados no Parque Turístico Municipal do Jacaré que é área de preservação ambiental permanente

bares jacaréOs bares da Praia do Jacaré, em Cabedelo, onde tradicionalmente ocorre o pôr do sol ao som do Bolero de Ravel tocado pelo músico Jurandir do Sax, fecharam as portas nessa terça-feira (30) em cumprimento a acordo judicial. A Prefeitura de Cabedelo, na Grande João Pessoa, no entanto, garantiu que o espetáculo vai continuar.

A diretora de Comunicação Institucional da Prefeitura de Cabedelo, Reny Barroso, disse que está discutindo com os comerciantes, um chamado plano B, com o objetivo de transferir os bares para outro local que não pertença à União.

“O objetivo é fazer com que os comerciantes possam continuar atendendo os turistas”, reforçou. Ela disse, ainda, a Prefeitura de Cabedelo busca uma parceria com o governo do Estado com o objetivo de se complementar verba no valor de R$ 10 milhões para executar um projeto de ordenamento do local.

Os proprietários ainda tentaram suspender o acordo judicial que decidiu pelo fechamento dos bares nesta terça-feira (30) e pela desocupação da área até o próximo dia 10 e ainda a retirada das estacas dentro do rio Paraíba até de 30 julho. O pedido foi indeferido pelo juiz federal João Pereira de Andrade Filho em decisão divulgada nessa segunda-feira (29).

Esse acordo judicial foi assinado em 26 de setembro do ano passado na 1ª Vara da Justiça Federal em João Pessoa, após solicitação do Ministério Público Federal. Ele pôs fim a uma decisão anterior que impedia a derrubada dos bares.

O acordo reconheceu a irregularidade dos estabelecimentos instalados no Parque Turístico Municipal do Jacaré que é área de preservação ambiental permanente.

A Prefeitura de Cabedelo, ainda conforme o acordo, deveria apresentar até 180 dias após a assinatura deste, um projeto básico de ordenamento e ocupação parque.

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) também teria que ter no mesmo prazo projetos básico de pavimentação e drenagem para o lugar.

Portal Correio