João Pessoa 23/05/2018 10:38Hs

Início » Paraíba » Deputado federal denuncia manobra para driblar cotas no Estado da Paraíba

Deputado federal denuncia manobra para driblar cotas no Estado da Paraíba

LUIZ-COUTO-01O deputado federal Luiz Couto (PT-PB) registrou em pronunciamento uma manobra mesquinha e leviana para driblar a lei de cotas para acesso ao ensino superior.

De acordo com denúncias levadas ao conhecimento do deputado alunos de escolas particulares de algumas cidades da Paraíba estão se matriculando também na rede pública de ensino. O duplo vínculo serviria para escamotear a verdade e fazer uso da lei de cotas.

“Esses estudantes, vindos de famílias de classe média alta, querem falsear a verdade e se inscrever no Exame Nacional do Ensino Médio através das cotas, como se fossem filhos de famílias carentes. É um fato chocante ver que parte da juventude se deixa levar pela conveniência para querer tirar a vaga de quem preenche, por direito, os pré-requisitos necessários.

Eles frequentam a escola privada no período diurno e também estão matriculados em escolas públicas à noite para serem isentos do pagamento da taxa de inscrição do Enem e serem enquadrados nas cotas quando optarem por um curso superior nas faculdades públicas da Paraíba”, disse Couto.

O deputado federal petista ressaltou que a lei de cotas é uma ação afirmativa que reserva metade das vagas das Instituições Federais para candidatos que estudaram todo o ensino médio em escolas públicas ou concluíram através de Educação de Jovens e Adultos (EJA). “Infelizmente, querem fraudar a lei, tão positiva para os estudantes mais carentes.

Diante dessas atrocidades, quero aqui me posicionar contra essa atitude, afirmando que, ainda hoje, encaminharei expediente ao Ministério da Educação para pedir que seja feito um cruzamento de dados capaz de detectar se os estudantes de escolas privadas mantiveram também matrícula e frequência na rede pública com o objetivo de driblar as exigências da lei de cotas.

Quem assim age, deve responder por falsidade ideológica.

É crime! É um desrespeito a quem necessita e quer crescer em conhecimento!”, finalizou.

Redação com Assessoria