João Pessoa 21/05/2018 07:16Hs

Início » Paraíba » Empresário acusado de aplicar golpes de R$ 350 mil em vendas de carro é preso

Empresário acusado de aplicar golpes de R$ 350 mil em vendas de carro é preso

Fechine-1José Victor Fechine Peixoto, 35 anos, suspeito da prática de golpes que somam R$ 350 mil na compra e venda de veículos, foi preso, nesta quinta-feira (24), na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, em cumprimento de mandado de prisão preventiva da Justiça paraibana.

A ação da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa aconteceu de forma integrada com a Polícia Civil do Rio Grande do Norte.

De acordo com o delegado da DDF, Lucas Sá, José Victor é investigado desde 2014 por fraudes relacionadas à negociação de pelo menos 15 veículos. “Ele obteve aproximadamente R$ 350 mil em razão das fraudes, pois repassava os carros a terceiras pessoas, sendo que esses bens foram destinados a locais ignorados”, explicou o delegado.

As investigações ainda apontam que Fechine estava foragido de João Pessoa há pelo menos um ano e que teria permanecido um período no interior do Ceará, continuando a praticar fraudes que fizeram mais sete vítimas.

O chefe da unidade especializada ainda relatou que, em Mossoró, Victor Fechine estava hospedado no melhor hotel da cidade, onde contraiu uma dívida de R$ 4 mil, não quitada.

“Ele permanece na Cadeia Pública do município até que a Justiça paraibana autorize a transferência, o que deve acontecer na próxima semana. É preciso atenção redobrada ao negociar veículos em sites de anúncios e através de negociações diretas, devendo sempre analisar a documentação do veículo e de seu proprietário. Para se ter ideia, José Victor se vestiu de presidiário no Carnaval deste ano e já era foragido, demonstrando que não temia ser responsabilizado por suas fraudes investigadas pela DDF. Contudo, foi preso”, frisou Lucas Sá.

Segundo ele, qualquer outra vítima do suspeito José Victor Fechine deve comparecer à delegacia, que fica na Central de Polícia, bairro do Geisel, Capital, a fim de registrar o fato e contribuir para que ele responda por todas as condutas criminosas praticadas.

MaisPB