João Pessoa 18/08/2018 12:37Hs

Início » Paraíba » JP ganha Diagnóstico Mamário do Estado, mas ainda tem 40 caixas de hemodiálise ‘encostadas’ pela PMJP

JP ganha Diagnóstico Mamário do Estado, mas ainda tem 40 caixas de hemodiálise ‘encostadas’ pela PMJP

operação andaime risãoJoão Pessoa ganha Serviço de Diagnóstico Mamário do Estado, mas ainda tem 40 caixas de hemodiálise ‘encostadas’ pela PMJP

O preceito constitucional de que Saúde é um dever do Estado (poder público) e um direito de todos tem sua efetivação presenciando altos e baixos em João Pessoa, Capital da Paraíba. Enquanto recebe um novo serviço pare prevenir o câncer de mama, a cidade paraibana também convive com o esquecimento de quarenta máquinas novas de hemodiálise encaixotadas em uma sala, e sem utilidade, apesar de estarem em pleno funcionamento.

Nesta sexta-feira (26), por exemplo, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB), entregou o Serviço de Diagnóstico Mamário da Paraíba no Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer (CEDC). O serviço se enquadra no perfil de qualidade estabelecido pelo Ministério da Saúde.

O mamógrafo adquirido para a realização dos serviços de diagnóstico mamário é totalmente digital, de alta tecnologia e definição da imagem mamográfica – o único deste tipo na Rede de Assistência da Paraíba. “O Serviço de Diagnóstico Mamário será um diferencial importante para o Estado. A mulher fará, em um mesmo lugar, sua consulta especializada (mastologista), sua mamografia e a ultrassonografia mamária”, informou a diretora geral do CEDC, Roseane Machado.

Além disso, a paciente poderá realizar o procedimento necessário para o diagnóstico precoce do câncer de mama (punção aspirativa/core biopsy) e encaminhar para o Laboratório de Patologia/Citopatologia, também no CEDC, o material para ser analisado. “Isso tudo reduz sobremaneira o percurso diagnóstico e terapêutico da mulher dentro da Rede SUS. Estamos muito felizes porque com a implantação do Serviço de Diagnóstico Mamário nós poderemos triplicar a oferta de serviços à população paraibana no que se refere à saúde mamária”, comemorou Roseane.

O mamógrafo foi adquirido por meio de recursos oriundos de convênio com o Governo Federal (R$ 975.000,00) e para a adequação dos espaços do CEDC foram investidos R$100.00,00 – recursos estaduais. “A intenção é que, inicialmente, o Serviço de Diagnóstico Mamário oferte à população paraibana cerca de 600 mamografias de rastreamento por mês”, adiantou a diretora geral.

Já as quarenta máquinas de hemodiálise continuam encaixotados em uma sala sem climatização e sem perspectiva de serem colocados a serviço da população. As máquinas foram encontradas em julho deste ano, durante uma visita da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados nos hospitais da Capital.

A representante do Ministério da Saúde, Maria Inêz, que esteve presente na primeira inspeção há 10 meses, disse que esperava encontrar as máquinas em pleno funcionamento atendendo os pessoenses. “Fiquei surpresa em chegar aqui e ver que nada foi feito, que nem mesmo os equipamentos estão em lugar protegido. Estão aqui jogados e cheios de poeira”, lamentou.

O diretor do Hospital, Carlos Franca, disse que aguarda uma definição por parte da Secretaria de Saúde, mas garantiu que os pacientes estão sendo atendidos por meio de um convênio da Prefeitura com clínicas particulares. “Tudo que pode ser feito, estamos fazendo”, garantiu.

O deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), que participou da inspeção realizada em João Pessoa no ano passado, lamentou o problema vivenciado pelos pessoenses. “Essa cena de um prédio com as máquinas adquiridas todas dentro de caixas e vencidos os prazos de garantia foi uma cena que nos fez constatar ao vivo uma máxima que diz que falta gestão de saúde, pois aqueles equipamentos são caros, não caíram do céu, saíram dos impostos dos paraibanos e de todos os brasileiros”, comentou.

As máquinas foram adquiridas em 2012, ainda na gestão passada.

Segundo o prefeito Luciano Cartaxo (PSD), ao explicar situação em um debate político, o material foi adquirido sem planejamento de uso, por isso não foi utilizados ainda.


PB Agora