João Pessoa 22/06/2018 07:24Hs

Início » Paraíba » Maranhão deve recuar de convite feito para Otacilio Cartaxo ser assessor no Senado

Maranhão deve recuar de convite feito para Otacilio Cartaxo ser assessor no Senado

Senador já teria convidado o ex-diretor geral a Receita Federal

maranhão cartaxo receitaFontes do PMDB nacional informaram neste domingo ao Portal WSCOM Online que o senador José Maranhão, presidente da Comissão de Orçamento, deverá declinar do convite feito ao ex-diretor geral da Receita Federal, Otacilio Cartaxo, para assessorá-lo no Senado Federal, depois que o ex-Secretário de Finanças da Paraíba teve seu nome envolvido em operação da Policia Federal investigando fraude tributária estimada em R$ 19 Bilhões. Na Capital Federal, já se fala nos bastidores do Congresso Nacional de abertura de nova CPI do CARF para investigar o caso.

Segundo as Fontes, o senador José Maranhão já havia feito o convite para Otacilio Cartaxo ser assessor especial na Comissão de Orçamento. “Pelo andar da carruagem é muito provável que o senador reveja o convite em face dos problemas gerado pelo escândalo do CARF”, disseram ao Portal.

FRAUDE ESTIMADA EM 19 BILHÕES

Uma nova operação da Polícia Federal investiga o envolvimento do Banco Safra, de Joseph Safra, de uma empresa de Jorge Gerdau e do ex-secretário da Receita Otacílio Cartaxo em esquema de fraude contra a Receita Federal estimada em R$ 19 bilhões. Há, inclusive, o envolvimento da RBS, afiliada da Rede Globo.

Também foi citado no caso, Francisco Maurício Rebelo de Albuquerque Silva, pai do deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), líder do PP, também investigado pela Lava-Jato. O Ministério Público Federal e a Corregedoria do Ministério da Fazenda cumpriram 41 mandatos de busca e apreensão na última quinta-feira (26).

O esquema, segundo a PF, fazia um “levantamento” dos grandes processos no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), procurava empresas com altos débitos junto ao Fisco e oferecia “facilidades”, como anulação de multas. O esquema teria sido iniciado em 2005, mas começou a ser investigado pela PF em 2013.

Da Redação
WSCOM Online