João Pessoa 18/06/2018 11:13Hs

Início » Paraíba » Paraíba mantém 2ª menor taxa de desocupados do Nordeste, revela IBGE

Paraíba mantém 2ª menor taxa de desocupados do Nordeste, revela IBGE

desocupadosMesmo no pior cenário de recessão da economia nacional, o estado da Paraíba manteve a segunda menor taxa de desocupação da Região Nordeste no 2º trimestre deste ano. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última semana, mostram que a taxa de desocupação ficou em 10,7% no trimestre, encerrado em junho deste ano. A Paraíba manteve também taxas inferiores à da Região Nordeste (13,5%) e a do país (11,3%). O Estado teve apenas índice maior que o Piauí (9,9%).

No ranking do PNAD Contínua da Região Nordeste, os Estados da Bahia (15,5%), Pernambuco (14%) e Alagoas apresentaram as maiores taxas de desocupação no segundo trimestre deste ano. (Veja o ranking completo no quadro abaixo).

Já na comparação com o segundo trimestre do ano passado, a Paraíba registrou o menor crescimento na taxa de desocupação no 2º trimestre deste ano entre os nove estados da Região Nordeste. Enquanto a Paraíba subiu 1,6 ponto percentual (passou de 9,1% para 10,7%), os outros oito Estados tiveram crescimentos bem maiores. O Estado de Pernambuco, por exemplo, registrou o maior crescimento na taxa de desocupados (4,9 pontos percentuais), elevando de 9,1% para 14%, no período. Outros Estados da Região também tiveram crescimento bem acima da Paraíba como Sergipe (3,5 p.p), passando de 9,1% para 12,6%, e o Maranhão que aumentou em 3p.p. sua taxa de desocupados, passando de 8,8% para 11,8%. A média da taxa de desocupação do Nordeste apresentou avanço de 2,9 pontos percentuais (de 10,3% para 13,2%), enquanto o país subiu de 3p.p., de 8,3% para 11,3%.

A População Economicamente Ativa da Paraíba é de 1,509 milhão de trabalhadores e encerrou no 2º trimestre do rendimento médio de R$ 1.266.

NAS REGIÕES – As cinco regiões do país viram crescimento no desemprego na comparação entre os segundos trimestres. A piora foi mais acentuada no Sudeste, cuja taxa média passou de 8,3% para 11,7% — portanto, acima da média nacional (11,3%), chegou a 13,2%. Na região Norte, a taxa de desocupação foi de 8,5% para 11,2%; no Nordeste, de 10,3% para 13,2%; no Sul, de 5,5% para 8,0%; e no Centro-Oeste, de 7,4% para 9,7%.

Por sexo, a taxa de desocupação nacional foi de 9,9% para homens e de 13,2% para mulheres. A região Norte registrou a maior diferença (6 pontos percentuais maiores para as mulheres), enquanto o Sudeste teve a menor diferença (2,9 pontos percentuais para as mulheres). As mulheres na Paraíba têm 12,3% na taxa de desocupação, enquanto os homens encerraram com 9,6%.

RENDIMENTO REAL –O maior rendimento médio real dos trabalhadores foi registrado no Distrito Federal (R$ 3.679), seguido por São Paulo (R$ 2.538) e Rio de Janeiro (R$ 2.287). A média do país foi de R$ 1.972.Já os menores rendimentos foram contabilizados no Maranhão (R$ 1.072), na Bahia (R$ 1.285) e no Ceará (R$ 1.296).

TAXA DE DESOUPAÇÃO NO 2º TRIMESTRE NO NE

Estados Taxa de desocupação
Piauí 9,9%
PARAÍBA 10,7%
Ceará 11,5%
Maranhão 11,8%
Sergipe 12,6%
Rio G. do Norte 13,5%
Alagoas 13,9%
Pernambuco 14%
Bahia 15,4%
Média da Região 13,2%

Fonte: IBGE/Pnad Contínua