João Pessoa 24/04/2018 14:31Hs

Início » Paraíba » Sindicato confirma possibilidade de greve dos bancários

Sindicato confirma possibilidade de greve dos bancários

201307041003500000008016Nesta quinta-feira, 4, está programada uma mobilização nacional dos bancários. O ato vai contra o Projeto de Lei 4330/2004 do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), que regulamenta a terceirização no país segundo uma ótica eminentemente empresarial, que visa flexibilizar e reduzir direitos trabalhistas garantidos na CLT e na Constituição Federal.

Em João Pessoa, o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcus Henrique afirmou que será feito um trabalho de conscientização entre os bancários, com a realização de reuniões e entrega de panfletos explicativos.

Esse trabalho visa construir uma grande mobilização no dia 11 de julho, e que poderá acarretar em uma greve geral, destacou.

Direitos ameaçados

Após quase 10 anos tramitando no Congresso Nacional, o projeto corre o risco de ser aprovado no próximo dia 9 de julho, quando voltará à pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados.

A mobilização de entidades da CUT junto aos parlamentares e ao governo, com destaque para a participação dos sindicatos de bancários, que compareceram em peso à reunião da CCJC ocorrida em 11 de junho, impediu que o PL 4330 fosse votado naquele mesmo dia. O projeto voltará a ser apreciado novamente na CCJC.

Até lá, teremos 15 dias para esclarecer as direções das entidades e a categoria bancária acerca dos principais problemas do PL e, ao mesmo tempo, atuarmos junto à sociedade e aos deputados federais e senadores para mostrar os prejuízos irreparáveis para a classe trabalhadora em caso de aprovação desse projeto, afirma Miguel Pereira, secretário de Organização do Ramo Financeiro da Contraf-CUT e representante da entidade no Grupo de Trabalho (GT) de Terceirização da CUT.

Os nefastos impactos do PL 4330 sobre os direitos trabalhistas exigem forte mobilização dos bancários e de toda a classe trabalhadora, reforça o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

 

da Redação