João Pessoa 18/08/2018 12:38Hs

Início » Policial » Polícia prende segundo suspeito de praticar triplo homicídio em Santa Rita

Polícia prende segundo suspeito de praticar triplo homicídio em Santa Rita

algemasA Polícia Civil da Paraíba, por meio do Núcleo de Homicídios de Santa Rita, na região Metropolitana da Capital, cumpriu na manhã dessa quinta-feira (2) o mandado de prisão temporária contra José Roberto, 23 anos, suspeito de envolvimento no triplo homicídio registrado no dia 10 de maio no distrito de Odilândia. As vítimas, dois irmãos e um primo, foram mortas com vários tiros e golpes de arma branca. Durante depoimento; José Roberto disse que usou um facão para assassinar as vitimas.

O primeiro corpo foi encontrado no dia 10 de abril, às margens de um rio, com várias perfurações provocadas por disparos de arma de fogo. Já no dia 14, no mesmo local, foram encontrados boiando e já em estado de putrefação os corpos de mais duas vítimas, uma delas com apenas 10 anos.

As investigações realizadas no local mostram que o crime teria sido praticado por duas pessoas. Na terça-feira (31), o primeiro suspeito foi preso, um agricultor de 20 anos. Ele confessou a participação no triplo homicídio e disse que as vitimas foram assassinadas porque depois de uma discussão um deles teria ameaçado a família dele.

A ameaça teria sido feita porque as vítimas tinham um irmão portador de deficiência física e o agricultor costumava consumir drogas em frente à casa do rapaz. Aborrecidos com a situação, os irmãos foram falar com o agricultor, que não gostou da proibição e acabaram brigando. Foi durante esta discussão que as vítimas teriam ameaçado a família do agricultor caso ele não parasse de usar drogas na rua. Quatro dias depois, os três foram assassinados quando estavam tomando banho em um rio.

Com a prisão de José Roberto, a polícia encerra o caso. Ele foi ouvido e encaminhado para o Presídio de Santa Rita, onde já está recolhido o agricultor, segundo suspeito de praticar o crime. Os dois devem permanecer no local cumprindo a prisão temporária e aguardando pela decisão da Justiça.

PB Agora