João Pessoa 17/07/2018 17:14Hs

Início » Policial » População volta a cobrar mais fiscalização na orla da capital para evitar acidentes

População volta a cobrar mais fiscalização na orla da capital para evitar acidentes

Após o atropelamento de duas mulheres na Avenida Cabo Branco no horário que não é permitida a passagem de veículos, os pessoenses que faziam caminhada ou pedalam na orla reivindicavam mais fiscalização na Avenida Cabo Branco no horário das 5h às 7h. Por outro lado, os donos de quiosques e frequentadores da praia também se manifestaram contra a limitação de horário de fechamento desses estabelecimentos como algumas pessoas estavam pedindo.

 

Marcone Silva dos Santos, dono do quiosque Dois Irmãos, disse que o acidente ocorrido quinta-feira passada, quando um homem com sintomas de embriaguez atropelou duas mulheres que faziam caminhada na avenida, não tem nada a ver com o horário de funcionamento dos quiosques. Ele afirmou que esse comportamento, ou seja, de pessoas beberem e saírem dirigindo carros embriagados acontece em todos os horários. Principalmente no período da tarde. “Nós precisamos mesmo é de uma fiscalização mais rigorosa no horário da caminhada”, desabafou o comerciante.

 

O dono do quiosque disse ainda, que os comerciantes da orla não têm nenhuma culpa sobre esse acidente, que foi um caso isolado. Quando uma pessoa quer beber e dirigir ela compra a bebida em qualquer lugar, em lojas de conveniência, ou em supermercados.

 

“Acho que se vier uma lei limitando o horário dos quiosques, ela deverá atingir todos os bares da cidade. Nenhum comerciante obriga uma pessoa a beber. Acho que cada um deve responder pelos seus atos”.

 

O banhista Flávio Monteiro Costa, que estava ontem na Praia do Cabo Branco em um quiosque disse que os comerciantes da orla não têm culpa nenhuma se um cara bebe e sai dirigindo embriagado.

 

“Afinal, eles não incentivam ninguém a beber e os quiosques não sobrevivem apenas da venda de bebidas alcoólicas, eles vendem refeições e lanches. Acho que a lei deve ser mais severa sobre os maus motoristas e não contra quem está trabalhando para sobreviver”, disse Flávio Costa, enfatizando que se os policiais da Lei Seca fizerem blitz na orla no período da tarde, vão prender mais motoristas irresponsáveis.

 

O professor universitário Márcio Leite, que pedala diariamente na orla afirmou que o atropelamento no horário da caminhada aconteceu por falta de fiscalização. “Por causa desse acidente não se pode querer fechar os quiosques mais cedo, porque são eles que atraem turistas para a orla pessoense. Sou totalmente contra a limitação de horário para os quiosques da orla, porque eles são o ganha-pão dos comerciantes”.

PB Agora