João Pessoa 20/06/2018 09:21Hs

Início » Policial » Praça de guerra: ambulantes atiram pedras e PM reage com spray de pimenta em protesto na Lagoa

Praça de guerra: ambulantes atiram pedras e PM reage com spray de pimenta em protesto na Lagoa

O protesto dos ambulantes que trabalham no Centro de João Pessoa, parecia estar chegando ao fim, quando uma confusão generalizada começou e a Polícia Militar interviu com spray de pimenta. Diversos manifestantes chegaram a ser detidos.

A Força Tática chegou ao local fortemente armada e agiu com spray de pimenta para debelar a confusão que se instalou entre os ambulantes e a Guarda Municipal. Muitas pedras foram lançadas.

O shopping Lagoa e outros comerciantes fecharam as portas com medo da confusão se tornar ainda maior. Ambulantes dizem que não iniciaram a confusão e negam ter agredido com pedras a Guarda Municipal.

De acordo com o comandante da Guarda Municipal, um dos ambulantes jogou uma pedra que por pouco não atingiu um PM e que a polícia precisou interferir não contra os camelôs, mas contra os vândalos. Já a presidente da associação dos ambulantes disse que a Guarda incitou a confusão e reclamou de a polícia estar apontando armas de fogo para os manifestantes.

“Tenho que tirar meu povo daqui”, ela disse.

O protesto começou na manhã desta quarta-feira pelas ruas da Capital. Eles reclamavam da truculência dos agentes da Sedurb ao impedir os ambulantes de trabalhar, além dos produtos que estão sendo apreendidos.

Na manhã de hoje, ruas foram fechadas e o trânsito ficou parado por vários minutos em diversos trechos e a manifestação continua. O protesto está na esquina do edifício Manoel Pires enquanto dezenas de motoristas de ônibus desavisados estão parados na parada da Lagoa.

A Polícia Militar e a guarda municipal acompanham tudo de perto e nenhum incidente foi registrado.

Agentes da Semob estão no local desviando o trânsito sempre que a manifestação avança, para impedir que o trânsito fique totalmente parado.

De acordo com a Sedurb, houve um acordo com representantes dos ambulantes e um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi firmado, porém a grande parte não aceita e quer continuar da forma que estava.

Marília Domingues