João Pessoa 18/08/2018 19:57Hs

Início » Política » Ação de Ivestigaçãopede cassação do registro da prefeita eleita de Rio Tinto

Ação de Ivestigaçãopede cassação do registro da prefeita eleita de Rio Tinto

A Coligação Rio Tinto para Todos, composta pelo PSDB, PDT, PSC, PT do B, PPS, PPS, PSL, PSD, PRP, PTN, PSB e PTB), ingressou com uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral no TRE contra a prefeita eleita Severina Ferreira Alves, conhecida como Dudu de Brizola, bem como o vice-prefeito e vereadores eleitos, respectivamente, Marcos Aurélio de Oliveira Silva (Marcão), Claudecir da Silva Braz (Cal) e Adênio Cecil Pimentel, todos do PMDB.

Segundo a AIJE, Dudu de Brizola e Adênio Pimentel teriam agido de forma ilegal, “com a finalidade específica e espúria de comprometer a lisura do pleito”, ao realizar na véspera da última eleição, distribuição de materiais (tijolos) em diversas casas na localidade conhecida como Vila Regina, todas coincidentemente, com pintura de propaganda das referidas candidaturas. Para o autor da ação, além de apreensão e prisão em flagrante, as provas apontam para uma “compra deslavada de votos”, perpretada por Dudu, para se eleger prefeita.

Voto por conserto de canoa

Como exemplo dessa operação, é citado o caso do eleitor Pedro Flora de Lima, que disse ter recebido 250 reais da então candidata para consertar sua canoa, bem como o flagrante de doação ilegal de dois sacos de cimento e 500 tijolos por Adênio Pimentel a Paulino de Jesus Santos e Marilene da Silva Sebastião,em benefício de sua candidatura e dos demais investigados. Em outro caso, flagrado através de gravação e fotografia, a dona de casa Maria das Neves Barreto confirma ter recebido de Dudu de Brizola 200 reais para compra de 500 tijolos.

Para a Coligação Rio Tinto para Todos, restou clara a intenção dos candidatos em comprar votos, incorrendo assim em atividade ilegal e criminosa, que será comprovada no curso da instrução processual. A ação, ajuizada pelos advogados José Martinho Lisboa, Marcelo Figueiredo, Danilo Mota e Vanessa Carmen, pede ao final, a cassação do registro ou candidatura dos investigados, decretação de suas inelegibilidades para a eleição de 2012 e oito anos seguintes, bem como aplicação de multa entre 1.000 a 50.000 UFIR’s.

Assessoria