João Pessoa 21/07/2018 09:54Hs

Início » Política » Cícero faz ‘pomposo discurso moralista’ em Brasília, mas ‘ignora’ o próprio passado

Cícero faz ‘pomposo discurso moralista’ em Brasília, mas ‘ignora’ o próprio passado

Senador demonstra ser muito hábil com as palavras quando abordado sobre temas melindrosos

20130702163219Ressaltando a sua ‘grande preocupação’ com a moralização da política brasileira e com o clamor das ruas, que segundo ele, “pedem um país melhor e uma vida mais digna”, o senador Cícero Lucena (PSDB) fez um ‘pomposo’ discurso nesta terça-feira, 2, na tribuna do Senado Federal.

Bom oposicionista que é, além de muito influente no “ninho tucano nacional”, Cícero centralizou as suas críticas do pronunciamento em defesa da Ética na suposta falta de comando da presidente Dilma Rousseff (PT) no combate à corrupção.

O discurso, no entanto, não corresponde à prática da conduta política de Cícero Lucena nos últimos anos. O discurso ‘moralista’, infelizmente, soa como hipócrita. Prática comum dos fariseus, que consideravam-se mais justos e santos do que os outros em geral. A sabedoria popular diz que os fariseus são como os galos que pensam que se um dia deixar de cantar o sol não nascerá.

Vale lembrar que Cícero já foi alvo de matérias policiais nos maiores veículos de comunicação do país, em decorrência da série de ações judiciais que respondeu, desencadeados durante a famigerada ‘Operação Confraria’. A maioria das acusações por supostas fraudes em licitações. Os eleitores paraibanos de hoje que têm 20 anos não acompanharam essa novela ocorrida há 8 anos. Cícero ainda hoje sofre resquícios da operação e responde processos em segredo de justiça.

Habituado a incorporar o papel de “vítima” sempre que criticado, o tucano demonstra ser muito hábil com as palavras quando abordado sobre temas melindrosos contra si, a exemplo do fato de possuir mais processos do que projetos, realidade insistentemente lembrada pelos seus adversários durante a campanha eleitoral de 2012 em João Pessoa, na qual foi fragorosamente derrotado.

Sua presença no palanque de qualquer candidato ao Governo da Paraíba ou do senador Aécio Neves em nível federal, certamente dará muita munição para seus adversários.

Faz lembrar o Padre António Vieira, que, em seu célebre Sermão do Bom Ladrão, comparou os príncipes de Jerusalém aos governantes de sua época, que fingiam, assim como hoje, não saber o que acontecia sob suas barbas. Dizia também que “o legalismo guarda o homem dos seus pecados públicos e a hipocrisia dos seus pecados secretos.”

Enquanto isso, em seus últimos meses no Senado, Cícero vai proferindo palavras vazias ao vento.

Assessoria