João Pessoa 24/06/2018 20:44Hs

Início » Câmara em foco » Em rede social, vereador de João Pessoa fala da precariedade dos serviços prestados pela Prefeitura

Em rede social, vereador de João Pessoa fala da precariedade dos serviços prestados pela Prefeitura

renato martins 1O vereador Renato Martins expressou, na sua conta pessoal no Facebook, certo nível de ‘preocupação’ na atitude da PMJP em cortar custos. Renato chamou atenção para o fato de que “dá a entender que antes (dos cortes) havia algo improdutivo”.

O parlamentar também ressaltou que “tem dúvidas sobre a melhoria dos já precários serviços prestados pela gestão municipal da Capital”.

Leia abaixo a íntegra do texto que Renato Martins postou no seu Facebook.

Me preocupa quando a gestão pública fica restrita aos atos tidos como óbvios, mas que são é menos q medianos. As medidas da PMJP de cortar custos em eventos, RH e custeio dão a entender q antes havia algo improdutivo no agir dela e q agora os serviços serão melhorados justamente por não existirem mais estes gastos?! Vejo com duvidas sobre a melhoria dos nossos j´j precários serviços; em especial de saúde no seu todo; a educação integral já comprometida pelo atraso de repasses federais; além da sujeira; transporte coletivo sem qualidade além da ausência de projetos sociais consistentes na cidade. Ainda sobre corte no custeio, como andam nossos mercados? Nossas praças? Melhorarão agora com 20% a menos de recursos… Defendo q tenhamos projetos sociais em larga escala com baixo custo por meio de parcerias com igrejas e associações q podem ceder espaço e parte de pessoal para oficinas de música, dança, teatro, esporte e etc. Defendo a democracia direta pelo celular q fiscalizaria melhor o dinheiro e a qualidade das obras e serviços públicos, defendo que todo usuário não atendido na rede de saúde receba uma declaração explicando os motivos de não estar sendo atendida, defendo que a planilha de custos dos ônibus seja fixada dentro dos ônibus para todos sabermos de tudo. Defendo transporte coletivo humanizado com ônibus climatizados com acessibilidade e em quantidade suficiente para evitar superlotações. Sem aumentar passagens, reduzindo impostos na ordem de 0.20 centavos por passagem ou seja cerca de 2 milhões mês e teríamos esta forte melhora na qualidade de vida. Aliás qualidade de vida é algo esquecido nesta agenda política tomada por Desculpas baratas, ausência de ideias e profundo desapego em verdadeiramente abrir mão de vaidades e politicagens para de fato melhorarmos as coisas. Tememos que  os serviços públicos consigam o feito negativo extraordinário de piorarem ainda mais o nível ruim que já estão.

Redação