João Pessoa 19/06/2018 08:34Hs

Início » Política » Para Waldson, Cássio Cunha Lima será o candidato da oposição ao Governo do Estado

Para Waldson, Cássio Cunha Lima será o candidato da oposição ao Governo do Estado

Secretário acredita que nem Romero e nem Cartaxo devem sair das prefeituras para disputar o governo.

Para secretário, união das oposições não representa um grupo coeso. “É um verdadeiro fiasco” (Foto: Walla Santos)

Cássio Cunha Lima. Este é, para o secretário de Planejamento do Estado, Waldson Sousa, o verdadeiro candidato ao Governo do Estado do grupo das oposições, porque ele não acredita que Romero Rodrigues e Luciano Cartaxo deixem as prefeituras.

“O PSDB precisa colocar um nome. Não havendo disposição de Romero Rodrigues (PSDB) de deixar a prefeitura de Campina Grande, Cássio é o único nome do partido com condições de disputar o governo do estado”, declarou.

O secretário acredita que nem Romero, em Campina Grande e nem Luciano Cartaxo (PSD) em João Pessoa terão disposição de deixar as gestões para encarar o desafio de se candidatarem ao governo do Estado em razão da falta de unidade das oposições. “É possível que um dos dois tenha condição de sair mas não tenha vontade, ou o contrário. É esperado que isso ocorra. Mas o PSDB vai ter um candidato, isso é certo”, afirmou.

Para o secretário ainda existem muitas especulações sobre quem seria o verdadeiro candidato da união das oposições e que é muito cedo para tirar qualquer conclusão. “Ainda é muito cedo. Tem muita coisa pra acontecer daqui para 7 de abril e a gente não tem  a configuração real. O que temos de concreto até agora são as candidaturas de João Azevedo (PSB) e a do MDB com José Maranhão”, disse.

Diálogo com o MDB   

Sobre Maranhão e a possibilidade de uma interlocução entre o grupo capitaneado por Ricardo Coutinho e o partido do senador, Waldson acha difícil que aconteça. “Ninguém fez essa interlocução diretamente. Em política, tudo é possível, mas o senador se colocou na condição de pré-candidato e o PSB acredita que essa candidatura é verdadeira, está consolidada, como a de João Azevedo. Se existem possibilidades elas podem ser conversadas, mas hoje, para o PSB, isso não pode ser contabilizado, pois não houve este diálogo”, afirmou.

Para Waldson o que mais dificultaria essa aliança é a coesão dentro do grupo liderado pelo PSB, que ele compara com a visão que tem sobre a união das oposições. “O grupo que compõe o governo é bem consolidado, definido. Para a oposição é mais difícil. Eles precisam de uma definição e não vão conseguir, com certeza, nos próximos dias, ter esta definição. Eles têm muita dificuldade de composição. Aliado não é simplesmente juntar um monte de partidos e um conjunto de interesses para se chegar a um governo. Aliado significa que você tenha, no mínimo, a condição de conjecturar um plano político, uma condição de apoia-lo e de mantê-lo. O que foi construído na união das oposições é um verdadeiro fiasco”, disse.

Waldson disse ainda que a decisão de Ricardo de permanecer no mandato não mudou. “Não há muita pressa nem correria nem alvoroço algum no grupo do governo. A decisão do governador está clara. Ele fica no mandato e esta condição não aflige o grupo político da gente e nem ao próprio governador”, concluiu.

ClickPB