João Pessoa 18/06/2018 11:32Hs

Início » Política » Réu em 19 ações, Sérgio Cabral é alvo de duas novas denúncias

Réu em 19 ações, Sérgio Cabral é alvo de duas novas denúncias

Denúncias são fruto da ‘C’est Fini’

O ex-governador Sérgio Cabral é alvo de mais duas denúncias do MPF (Ministério Público Federal), desta vez, pelos crimes de corrupção passiva e ativa. As acusações foram encaminhadas ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, e são resultado da Operação C’est Fini, deflagrada em novembro.

Se Bretas aceitar as novas denúncias, o número de processos em que Cabral é réu chegará a 21.

De acordo com o MPF, o ex-governador é acusado de liderar uma organização criminosa de grandes proporções responsável pela corrupção de agentes públicos, fraudes a licitação, cartel, evasão de divisas e lavagem de dinheiro no âmbito do governo do Rio de Janeiro.

A organização criminosa foi descoberta a partir dos desdobramentos das operações Calicute e Eficiência.

Em uma das denúncias, também estão envolvidos o ex-chefe da Casa Civil do Rio de Janeiro, Régis Fichtner, e seu ex-assessor Luiz Carlos Bezerra. Na outra, são citados Bezerra e Cabral; mas também o empresário George Sadala e Wilson Carlos da Silva Carvalho, ex-secretário de Governo.

Segundo a denúncia que envolve Fichtner (íntegra), foi identificado que o esquema desviou mais de US$ 100 milhões dos cofres públicos. As propinas eram enviadas para o exterior. Segundo a denúncia “é fato que grande parte desses atos passou por 1 setor estratégico e fundamental na Administração Pública, qual seja, a CASA CIVIL”.

No esquema, Régis Fichtner teria recebido vantagem indevida pelo menos 20 vezes, somando 1 total de R$ 1,5 milhão em propina. O ex-chefe da Casa Civil solicitou e aceitou vantagem indevida para dar “especial atenção para os interesses privados de empresários do setor da saúde, prestação de serviços de alimentação e limpeza, transporte público e construção civil”.

A segunda denúncia (íntegra), que envolve George Salada, o MPF fala o empresário recebeu propina de obras de construção civil, por meio da Secretaria de Obras, e de outros setores do governo, como das unidades Rio Poupa Tempo. O valor do aporte chegou a R$ 1,3 milhão.

Nas duas acusações Carlos Bezerra é acusado de intermediar as transações.

Poder360