João Pessoa 25/06/2018 14:16Hs

Início » Política » Ricardo e Lígia são processados e PGE alega condutas ilegais nas eleições

Ricardo e Lígia são processados e PGE alega condutas ilegais nas eleições

Portal Correio ligou para o secretário executivo de Comunicação do Estado, Célio Alves, que trabalhou na campanha de Ricardo, mas os telefonemas não foram atendidos.

ricardo processadoA Procuradoria Regional Eleitoral na Paraíba está processando o governador reeleito Ricardo Coutinho, a vice-governadora eleita Lígia Feliciano e Francisca de Lucena Henriques, mais conhecida como Nininha Lucena. O PRE alega que foi configurada o uso de servidor ou empregado da administração pública em atividades para campanha eleitoral durante o horário de expediente normal, o que é ilegal.

Leia também: Ricardo Coutinho e Lígia Feliciano são acionados e MPE pede cassação dos dois mandatos

As investigações foram iniciadas a partir de denúncia feita pela Coligação ‘A Vontade do Povo’, noticiando que Nininha Lucena, enquanto gerente da 13ª Região de Ensino da Secretaria de Estado da Educação, teria feito propaganda política em favor do governador reeleito, durante o horário de expediente normal.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Para o Ministério Público está comprovado que Nininha Lucena, em benefício do então candidato à reeleição, durante reunião realizada com diversos prestadores de serviço da educação, conclamou os trabalhadores a apoiarem Ricardo Coutinho, inclusive pedindo votos, sob a possível ameaça de perda dos empregos.

A representação contra os três foi ajuizada em 17 de dezembro de 2014. O caso será apreciado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba.

Segundo a PRE/PB, o conjunto probatório demonstra que se está diante de fatos que revelam o uso da estrutura do governo do Estado da Paraíba em benefício da reeleição do atual governador, com a participação de seus representantes, o que também é ilegal.

A PRE pede como punição uma multa (que pode ficar entre R$ 5.320,50 a R$ 106.410,00) e cassação do registro ou do diploma.

O Portal Correio ligou para o secretário executivo de Comunicação do Estado, Célio Alves, que trabalhou na campanha de Ricardo, mas os telefonemas não foram atendidos.

 

Portal Correio